Fidel teme ser o próximo alvo dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 4 de maio de 2003 as 10:23, por: cdb

Fidel Castro está nervoso. Depois de assistir ao que aconteceu com Saddam Hussein, ele teme que sua hora esteja chegando. Minucioso em sua análise de cada passo dado pelos Estados Unidos, Fidel vê sinais por toda parte. E não quer que a celebrada capacidade de resistência do povo cubano, a única âncora do regime, esmoreça. A lealdade de cada cubano é questão de vida e morte, na expressão usada por ele mesmo.

Foi por isso que Fidel fuzilou três seqüestradores de uma balsa e botou na prisão 73 dissidentes, para espanto e indignação de seus amigos no exterior.

Pelo menos 43 dos dissidentes, muitos deles jornalistas independentes, já foram condenados a até 27 anos de prisão.

Além dos três seqüestradores executados, depois de processos sumaríssimos, outros quatro foram condenados à prisão perpétua e os quatro restantes a penas que variam de 30 a 2 anos.

Paralelamente, há uma onda de repressão aos crimes comuns, com pouca publicidade dentro e fora de Cuba, mas com efeitos muito mais diretos sobre a vida dos cubanos. É impossível viver de forma decente em Cuba sem cometer algum tipo de delito. Pelo menos para as pessoas comuns, que não desfrutam dos privilégios reservados ao círculo íntimo do poder.

O salário dos trabalhadores, aí incluídos médicos, engenheiros, advogados, etc., oscila de 150 a 300 pesos (de US$ 6 a US$ 12).

Simplesmente não dá para sobreviver. Para ter garantido o leite em pó, a carne, produtos de higiene, roupas, remédios etc., é preciso entrar no vasto submundo da compra e venda de mercadorias roubadas das fábricas e lojas estatais, dos serviços sem licença, dos contatos ilegais com turistas estrangeiros.

A polícia costuma fazer vista grossa desses pequenos crimes, cometidos por todos – até por ela mesma -, independentemente de sua adesão ao regime. Nos últimos dias, no entanto, o apetite dos chivatos (dedos-duros), sobretudo nos bairros pobres, reacendeu. Os cubanos, assustados com os fuzilamentos e prisões, estão acuados.

Aqui, crimes comuns e dissidência política se mesclam num emaranhado do qual é impossível escapar: cada vez que os Comitês de Defesa da Revolução (CDRs) e outros braços de repressão do regime decidem perseguir alguém, têm em mãos uma ficha de pequenos delitos.

Assim, além de não engrossar a lista dos prisioneiros políticos, desmoralizam os “contra-revolucionários”.

Foi o próprio presidente cubano que fez a ligação entre a onda de repressão por ele promovida e o apetite do governo George W. Bush por mudar regimes que não lhe agradam.

– A idéia sinistra é provocar um conflito armado entre Cuba e os Estados Unidos – analisou Fidel, no programa de TV e rádio Mesa Redonda, do dia 25, ao qual compareceu para explicar a repressão a seqüestradores e dissidentes.

– Quem tentar apropriar-se de Cuba, recolherá o pó de seu solo impregnado de sangue, se não morrer na luta – advertiu Fidel, citando Antonio Maceo, herói da independência.

Juras de defesa da pátria fazem parte do cotidiano em Cuba, onde os jornais, TVs e emissoras de rádio, todos do governo, martelam diariamente a propaganda do regime. Mas a necessidade, sentida por Fidel, de responder à facilidade com que Saddam foi derrubado, deu um novo colorido à retórica – respaldada nos fuzilamentos e prisões em massa.

– Se acreditam que de algo serviriam em Cuba os grupos mercenários de Miami, eles durariam tanto quanto um merengue (suspiro) na porta de uma escola – disse Fidel, referindo-se aos cubano-americanos, e numa analogia aos líderes da oposição iraquiana no exílio, patrocinados pelos EUA.

– Mortos todos os líderes principais, nenhum dos quais jamais levantará bandeira branca, dezenas de combatentes ocuparão os postos de quantos chefes morrerem, e geração após geração lutará o povo de Cuba contra as tropas de ocupação. Ou seja, quando nosso país for ocupado, a guerra não terminará, mas começará.

Nos meses de escalada que antecederam a guerra no Iraque, o presidente cubano deu a enten