Fidel recebe pedido da ONU para anistiar 50 dissidentes condenados

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 27 de junho de 2003 as 09:53, por: cdb

A relatora especial do Alto Comissariado dos Direitos Humanos da ONU para Cuba, Christine Chanet, pediu ao presidente cubano, Fidel Castro, que anistie 50 dissidentes condenados a vários anos de prisão, informou nesta sexta-feira um porta-voz oficial.

A juíza francesa Christine Chanet afirma em um comunicado que pediu a Castro que utilize seu poder para “conceder indulto a 50 cidadãos cubanos condenados definitivamente a penas extensas”.

Chanet se refere assim à ratificação, na segunda-feira, por parte do Tribunal Supremo de Cuba, das penas impostas a 50 dos 75 dissidentes julgados há três meses na ilha, incluindo aí a pena de 20 anos para o escritor e jornalista independente Raúl Rivero.

Entre as sentenças ratificadas até agora estão as de Héctor Palacios (condenado a 25 anos), Marta Beatriz Roque (a única mulher da lista), Oscar Espinosa e Ricardo González, todos eles condenados a 20 anos de prisão.

Também estão incluídos vários colaboradores do Movimento Cristão Libertação (MCL), encabeçado por Oswaldo Payá, como Regis Iglesias (18 anos de prisão) e Antonio Díaz Sánchez (20 anos).

A Anistia Internacional considera como “presos de consciência” os 75 dissidentes condenados a penas de até 28 anos por conspirar com os Estados Unidos e atentar contra a independência do Estado e os princípios da revolução.

As detenções, assim como a execução de três seqüestradores de uma lancha em 11 de abril, consideradas a maior onda repressiva em décadas, geraram uma onda de críticas em todo o mundo, as quais foram rechaçadas pelo governo cubano sob o argumento de que respondem à defesa da soberania nacional.