Fidel lembra Niemeyer ao renunciar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 19 de fevereiro de 2008 as 09:59, por: cdb

/ mundo
Versão para impressão 
Enviar por e-mail 
Receber newsletter  
 
Na carta em que anuncia sua renúncia, publicada nesta terça-feira na versão online do jornal oficial do Partido Comunista cubano, o Granma, o líder cubano Fidel Castro voltou a mencionar o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer.

– Penso como Niemeyer que é preciso ser conseqüente até o final, diz a carta, repetindo uma frase que havia sido citada em uma outra carta lida por Fidel em uma transmissão da TV estatal cubana em dezembro.

Na carta desta terça-feira, Fidel afirma que na declaração de dezembro teria dado vários indícios de que estava disposto a renunciar. A carta (de dezembro) “incluía discretamente elementos desta mensagem que hoje escrevo, e que nem o destinatário das missivas (Randy Alonso, diretor do programa Mesa Redonda da Televisão Nacional de Cuba) conhecia o meu propósito”, diz o líder cubano.

A citação a Niemeyer é um dos trechos selecionados por Castro da carta anterior e citados na nova missiva, divulgada nesta terça:

“Meu dever elementar não é agarrar-me a cargos, e muito menos obstruir o caminho de pessoas mais jovens, e sim aportar experiências e idéias cujo modesto valor procede da época excepcional que me coube viver. Penso como o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer, que se deve ser conseqüente até o final”, acrescentou. 

Na ocasião das comemorações dos 100 anos do arquiteto brasileiro, Fidel já tinha enviado uma carta a Niemeyer, felicitando-o pelo aniversário:

“Muitas felicidades pelo teu aniversário. Que muitas pessoas vivam e possam desfrutar como você de mais de cem anos. Teu amigo”, escreveu Castro no final da carta, escrita no dia 10 de outubro.

Fidel ainda fez comentários sobre o livro de Niemeyer, O Ser e a Vida, que será lançado neste ano.  “Eu o apoio plenamente em sua árdua batalha por estimular o hábito de ler. Você diz que sem a leitura o jovem sai da escola sem conhecer a vida”, escreveu Fidel