Fidel Castro acusa os EUA de criarem uma crise mundial

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 23 de fevereiro de 2003 as 10:47, por: cdb

O presidente de Cuba, Fidel Castro, acusou na Universidade Politécnica de Hanói os Estados Unidos de empurrarem o mundo para uma crise.

“O planeta encara uma crise econômica e moral porque este mundo de liberalismo e de globalização está sob o domínio do Governo dos Estados Unidos”, disse Fidel no último dia de sua visita ao Vietnã, de onde viajará à Malásia para participar da XIII Cúpula do Movimento de Países Não-Alinhados (Noal).

Aproximadamente mil pessoas, selecionadas previamente pelas autoridades, lotaram a sala da universidade na qual Fidel fez um discurso que foi transmitido em parte pela televisão estatal vietnamita.

Em sua fala, de quase uma hora, o presidente cubano acrescentou que “precisamos de uma solução para que ocorra uma mudança, o que também significa que o atual império não pode durar tanto como o Império Romano”.

Durante a visita de Fidel, os Governos do Vietnã e de Cuba rejeitaram o uso da força para desarmar o regime do presidente do Iraque, Saddam Hussein.

“Apoiamos uma solução pacifica da questão iraquiana baseada no respeito à independência do Iraque, na soberania e na integridade territorial, em linha com a Carta das Nações Unidas e com a legislação internacional”, diz nota conjunta de ambos os países.

Fidel Castro chegou ao Vietnã na sexta-feira passada acompanhado pelos ministros de Assuntos Exteriores, Felipe Pérez Roque, e de Governo, Ricardo Cabrisa, e pelo membro do Conselho de Estado Carlos Valenciaga, entre outros.

Durante sua terceira visita ao Vietnã, Fidel se reuniu com as principais autoridades do regime vietnamita e com militares reformados que tiveram papéis importantes na guerra entre o país asiático e os Estados Unidos.

Na reunião de sábado, as duas partes também trataram assuntos relativos à Cúpula de chefes de Estado e de Governo do Noal, principalmente formas para fazer com que esse grupo integrado por 114 nações tenha uma maior relevância internacional.

O Noal realizará sua cúpula de 2006 em Cuba – nenhum outro país apresentou sua candidatura.