Ferramenta de busca do Facebook tem forte potencial de receita, dizem analistas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 16 de janeiro de 2013 as 13:47, por: cdb
O Facebook no momento tem parceria com a Microsoft, cujo serviço de buscas Bing oferece resultados de busca em sites externos
O Facebook no momento tem parceria com a Microsoft, cujo serviço de buscas Bing oferece resultados de busca em sites externos

A nova ferramenta de busca do Facebook tem forte potencial de geração de receita para a companhia de redes sociais, mas não deve desafiar a supremacia do Google nas buscas de Internet, pelo menos no curto prazo, disseram analistas nesta quarta-feira. A ferramenta Graph Search demonstrada permite que os usuários vasculhem os dados de sua lista de amigos para encontrar toda espécie de coisa, de restaurantes a recomendações de filmes, e representa a maior incursão do Facebook nas buscas online.

– Vemos algumas categorias de sugestões fortemente monetizáveis no Graph Search (restaurantes próximos, jogos), e deve ser fácil incorporar resultados comerciais de buscas, por meio da parceria entre o Facebook e o Bing – afirmou a BofA Merrill Lynch aos seus clientes em nota.

O Facebook no momento tem parceria com a Microsoft, cujo serviço de buscas Bing oferece resultados de busca em sites externos. A Microsoft também integra alguns resultados do Facebook aos retornos de busca do Bing.

A corretora estimou que o Facebook poderia ampliar sua receita anual em US$500 milhões caso seja capaz de gerar um clique pago por usuário/ano, e elevou o preço-alvo para as ações da companhia em US$4, para US$35. “No momento, não consideramos o Graph Search como ameaça ao Google nas buscas de Internet. No futuro, as buscas no Facebook podem concorrer com certas categorias de buscas do Google, como as buscas de lugares e mapas”, afirmou a instituição.

O Google vem tentando combinar redes sociais e buscas há mais de um ano, integrando o serviço Google+ ao seu sistema de buscas. As ações do Facebook estavam quase estáveis antes da abertura do pregão, nesta quarta-feira, porque o anúncio da ferramenta de busca ficou aquém de algumas previsões mais otimistas, incluindo a de que a empresa lançaria um smartphone próprio ou um programa de buscas na Internet.

As ações da companhia subiram em cerca de 50%  desde novembro, depois de meses de desempenho fraco em função dos problemas em sua oferta pública inicial, em maio na Nasdaq. Elas fecharam a US$30,10, com queda de 3%, na terça-feira.