Federação ajusta proposta mas defende manutenção da greve nos Correios

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de setembro de 2011 as 15:06, por: cdb

Federação ajusta proposta mas defende manutenção da greve nos Correios

Em assembleias nesta quinta-feira (22), categoria avalia alteração na pauta proposta pelos sindicalistas para forçar reabertura das negociações

Por: Redação da Rede Brasil Atual

Publicado em 22/09/2011, 17:05

Última atualização às 17:04

Tweet

São Paulo – A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) orientou os 35 sindicatos filiados a manter o movimento grevista em todo o país. Segundo nota da entidade, divulgada nesta quinta-feira (22), a greve deve continuar para pressionar o avanço nas negociações com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). A estatal, porém, mantém a posição de só retomar o diálogo após o fim da paralisação.

Os sindicatos levam à avaliação de assembleias em todo o país nesta quinta uma contraproposta a ser apresentada à empresa, reduzindo a reivindicação do aumento salarial real linear de R$ 400 para R$ 200. O restante da pauta continua inalterada: reajuste de 7,16% (reposição inflacionária pelo ICV-Dieese), reposição de 24,76% referente a perdas acumuladas entre 1994 e 2010, piso salarial de R$ 1.635 (o atual é de R$ 807), e vale-alimentação de R$ 28. Se aprovada, a contraproposta será levada à empresa ainda nesta quinta.

Os Correios oferecem reposição 6,87%, com base no IPCA (não retroativo à data-base da categoria, em 1º de agosto), e aumento real linear de R$ 50 a partir de janeiro de 2012.

Além dos itens econômicos, a categoria quer auxílio-creche e o fim da terceirização na empresa. Os sindicalistas defendem ainda que os dias parados em decorrência da greve, que já dura nove dias, não sejam descontados. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, havia ameaçado, na segunda-feira (19), o corte no ponto dos grevistas.

Segundo a federação, a paralisação tem adesão de 80% em todo o país e, de acordo com os Correios, atinge 23% dos 110 mil funcionários. Uma série de manifestações está prevista para a tarde desta sexta-feira (23). O objetivo é pressionar a estatal a reabrir negociações.

Para José Expedito Camilo, diretor do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Similares de São Paulo (Sintect-SP), a adesão ao movimento é de 95% no estado. “Não tem como voltar ao trabalho para negociar. Já tentamos conversar durante três meses para tentar achar um consenso e não adiantou. Não é agora que vamos abrir a guarda”, alertou.

 

Leia também:
Greve nos Correios ganha força após declarações de Paulo BernardoEm greve, trabalhadores dos Correios prometem protesto nacional nesta sextaDesconto no salário não ameaça greve nos Correios, diz federaçãoGreve nos Correios completa uma semanaGreve dos Correios ganha novas adesõesCorreios entram em greve nacional por condições de trabalho e salários