Fazendeiros são condenados por morte de sindicalista no Pará

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de maio de 2003 as 19:42, por: cdb

O fazendeiro Vantuir de Paula e o ex-prefeito de Rio Maria, sul do Pará, Adilson Laranjeiras foram condenados nesta sexta-feira a 19 anos de prisão pelo assassinato do sindicalista João Canuto. Com sete votos a favor e nenhum contra, a decisão do júri popular foi anunciada 17 anos após o crime ter sido cometido.

A sentença, anunciada no fim da tarde desta sexta-feira, foi bastante comemorada pela família de Canuto e organizações não-governamentais (ONGs) presentes no julgamento, iniciado na quinta-feira. Mas por serem réus primários, Vantuir de Paula e Adilson Laranjeiras poderão recorrer da sentença em liberdade.

A defesa dos fazendeiros afirmou que vai recorrer da decisão porque a “votação dos jurados foi contrária às provas contidas nos autos”.

João Canuto, ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio Maria, foi morto com vários tiros em uma emboscada no dia 18 de dezembro de 1985.

Em razão da repercussão que o caso teve fora do país, observadores internacionais, como representantes da Anistia Internacional e da Organização Mundial Contra Tortura, acompanharam o julgamento na sede do Tribunal de Justiça do Pará.

O júri também foi assistido por artistas que fazem parte da ONG Movimento Humanos Direitos, como os atores Leonardo Brício, Letícia Sabatela e Carla Marins.

Nos últimos 30 anos, mais de 700 trabalhadores rurais foram assassinados no Pará na luta pela terra, de acordo com dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Os números da entidade, mostram que somente neste ano já foram registrados 13 casos.

– A situação tende a piorar porque os casos estão se espalhando por todo o Estado. Se não houver uma intervenção do governo federal, poderemos vivenciar conflitos piores – declarou o coordenador da CPT, José Batista Afonso, na quinta-feira, primeiro dia do julgamento.