Fazendeiro é preso na Chapada dos Guimarães

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de dezembro de 2003 as 02:34, por: cdb

A polícia de Chapada dos Guimarães prendeu o fazendeiro Francisco Assis Bezerra, de 61 anos. Ele é acusado de manter em cárcere privado por dois dias um menino de apenas 11 anos.

A prisão aconteceu na última segunda-feira na fazenda de Francisco, a 60 quilômetros de Chapada. O menino teve escoriações pelo corpo e alega ter sido mantido em uma dispensa da casa, recebendo pouca alimentação, e ainda obrigado a trabalhar debulhando milho para o fazendeiro. Bezerra vai ser indiciado pelos crimes de cárcere privado, porte ilegal de arma e tortura.

Bezerra alega que não manteve a criança trancada no quarto e sem receber alimentação. Ele admite que agiu de forma errada levando o menino para sua fazenda. Confessa ainda que teria batido no garoto para intimidá-lo.

No último dia 26, o menino e seu primo de dez anos estavam às margens da rodovia Emanuel Pinheiro pastorando ovelhas. Sem motivo aparente, eles acabaram jogando uma pedra no carro do fazendeiro. O impacto fez com que o pára-brisas rachasse.

Irritado, Bezerra desceu do carro e agarrou o garoto. Em seguida, deu-lhe um soco, obrigando-o a ficar quieto. Seu primo, que havia acertado a pedra, conseguiu escapar. O menino então foi colocado no carro e levado para a fazenda, segundo informações do delegado de Chapada, Miguel Rogério Sanches Gualda.

A esposa do fazendeiro estava também no carro e vai ser indiciada, já que presenciou a atitude de seu marido e acabou sendo conivente com o que acontecia. No dia 28, o fazendeiro deixou que o garoto fosse embora. Após tomar conhecimento do que havia acontecido, a família acionou a Polícia Militar.

O menino sabia chegar à propriedade rural de Bezerra e levou a polícia até lá. O fazendeiro acabou sendo preso portando uma espingarda calibre 22. O garoto, segundo o delegado, apresenta sinais de escoriações pelo corpo e seria encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) a fim de ser submetido a exame de corpo delito, que poderá comprovar as agressões.