Fãs dos Beatles aguardam nova versão de ‘Let It Be’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de novembro de 2003 as 08:29, por: cdb

Fãs dos Beatles aguardam com ansiedade o lançamento na próxima segunda-feira de uma nova versão de “Let It Be”, o último disco da banda.

A nova versão, intitulada “Let It Be… Naked”, não conta com as exuberantes orquestrações assinadas pelo produtor Phil Spector, presentes no disco original, de 1970.

O álbum foi remixado com tecnologia digital para tentar recriar a versão original do projeto.

De acordo com Paul McCartney e Ringo Starr, o álbum captura a essência do grupo como uma banda ao vivo. “Ele soa exatamente como foi no estúdio de gravação. É como se você estivesse lá”, disse McCartney.

Projeto arquivado

As músicas do disco foram gravadas em 1969 durante sessões para um show que seria televisionado.

Mas as centenas de horas de gravação das sessões foram deixadas de lado quando, no segundo semestre de 69, a banda começou a gravar o que se tornaria o disco “Abbey Road”, penúltimo lançamento do grupo.

O engenheiro de som dos Beatles, Glyn Johns, depois voltou a trabalhar em cima das canções para transformá-las em um disco, que se chamaria inicialmente “Get Back”, título de uma das faixas de “Let It Be”.

Mas o projeto foi arquivado e a banda se separou em 1970. Phil Spector, produtor conceituado, responsável por gravações clássicas da soul music e do pop, foi acionado para completar o trabalho e transformá-lo em um disco.

Mais ‘cruas’

Paul McCartney nunca gostou das orquestrações e corais que Spector acrescentou a músicas como “The Long and Winding Road”, “Let It Be” e “Across the Universe”.

Versões mais “cruas” destas faixas constam de “Let It Be…Naked”. Duas músicas mais despojadas do disco original foram retiradas da nova versão, as faixas “Dig It” e “Maggie Mae”.

O lançamento de “Let It Be…Naked” conta ainda com um CD-bônus que traz trechos de conversas dos Beatles durante os ensaios e um livreto de 32 páginas.

Neil McCormick, crítico musical do jornal britânico Daily Telegraph teve acesso ao novo disco e disse ter adorado a nova versão.

– Eles eram uma grande banda e você realmente percebe isso, porque o repertório pretendia ser apresentado ao vivo – disse em entrevista à BBC.

– É isso que era o mais importante dos Beatles, a música. Quem se importa que nessa época eles estivessem brigando? – acrescentou.