Farmácia Popular de Ipatinga é alternativa para comprar remédios com desconto

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 5 de abril de 2012 as 09:01, por: cdb

(05/04/2012) – Saúde públicaFarmácia Popular de Ipatinga é alternativa para comprar remédios com desconto

Tratar da saúde ficou mais caro desde o último dia 31. O preço dos remédios aumentou até 5,85%. O aumento foi autorizado pelo governo federal. Apesar do reajuste, é possível evitar o impacto no bolso buscando alternativas, como a Farmácia Popular, de Ipatinga, onde os medicamentos considerados essenciais são disponibilizados a um baixo custo ou até gratuitamente.

Atendendo cerca de 2.500 usuários por mês, a Farmácia Popular de Ipatinga oferece 103 itens, sendo 102 medicamentos e um preservativo masculino, vendido pelo seu valor de custo, representando uma redução de até 90%. “Na Farmácia Popular, o preço dos medicamentos é acessível. Nossa comunidade precisa estar atenta e procurar os remédios de baixo custo. É bom lembrar que o valor dos remédios é o mesmo praticado desde a abertura da farmácia em 2006, sendo que outros produtos, utilizados no tratamento de hipertensos e diabéticos ficaram de graça”, lembrou o prefeito Robson Gomes da Silva (PPS).

Economia

“Quem precisa comprar remédios com frequência não deve ficar preocupado. A Farmácia Popular é, sem dúvida, a melhor alternativa. Para ter acesso basta que o usuário apresente o CPF, um documento com foto e a receita médica com 120 dias de validade”, explicou o farmacêutico e gerente da unidade de Ipatinga, Lucas Medeiros Arantes. Ele informou que os medicamentos mais procurados na farmácia são: Captopril, Enalapril e Atenolol (usados como anti-hipertensivos); Metformina e Glibenclamida (procurados pelos diabéticos); Omeprazol (tratamento de úlcera) e o Sinvastatina (usado no controle do colesterol).

Conforme Lucas Arantes, em 2011 a Farmácia Popular de Ipatinga atendeu mais de 32 mil pessoas, distribuindo no mesmo período cerca de 240 mil itens. No ano passado, o programa gerou uma economia de aproximadamente R$ 240 mil, ou seja, 10% do valor que o usuário pagaria se fosse comprar o remédio em farmácias e drogarias da rede privada. O valor arrecadado com a venda dos medicamentos é repassado ao Ministério da Saúde, parceiro da Prefeitura de Ipatinga no programa.

Assistência

Em Ipatinga, os usuários são atendidos por seis servidores e dois farmacêuticos. “Na Farmácia Popular de Ipatinga, o usuário recebe atenção de um profissional. É um direito do cidadão ter acesso ao medicamento, e ainda fazer economia”, entende Lucas Arantes.

Na assistência farmacêutica, a Prefeitura de Ipatinga disponibiliza medicamentos e outros insumos necessários para os tratamentos prescritos por profissionais da rede municipal de saúde. Os medicamentos e os demais itens são distribuídos gratuitamente nas farmácias conveniadas à rede aos pacientes cadastrados nas Unidades de Saúde. Para ter acesso aos medicamentos, o paciente deve necessariamente passar por consulta e avaliação de um profissional da rede municipal de saúde.

De acordo com balanço da Secretaria Municipal de Saúde, no último quarto trimestre de 2011 foram dispensados à população 5.279.675 em unidades (comprimidos, frascos, pomadas, entre outros), com investimento de R$ 480.165,34 em medicamentos padronizados, aqueles encontrados nas Unidades de Saúde. Entre os remédios não-padronizados, fornecidos por meio é da Assistência Social mediante recomendação médica, foram distribuídos 9.249 unidades e investidos R$ 24.784,17. O balanço é correspondente a um quarto do investimento anual da Prefeitura de Ipatinga em assistência farmacêutica.

Serviço

A Farmácia Popular de Ipatinga fica na avenida João Valentim Pascoal, 103, Centro, em frente a Estação Rodoviária. Horário de funcionamento: 8h às 18h, de segunda a sexta-feira, e aos sábados, das 8h às 12h. Informações pelo telefone (31) 3829-8600.

Farmácia Popular de Ipatinga

Quantitativo de atendimento / ano

Ano Atendimento Média/diária

200925.77289

201027.01493

201132.177111

20128.027 (*)108

(*) Até os três primeiros meses do ano

Por: ACS/PMI