Farc executam governador, ex-ministro e mais oito reféns

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de maio de 2003 as 17:21, por: cdb

O governador do Departamento colombiano de Antioquia (noroeste), Guillermo Gaviria, e o ex-ministro da Defesa, Gilberto Echeverri, sequestrados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) há mais de um ano, foram assassinados nesta segunda-feira ao norte da Colombia, disse uma fonte militar. Autoridades colombianas falaram, abertamente, em retaliação dramática ao ato das forças guerrilheiras.

“A informação que tenho da Casa de Nariño (sede do governo) é de que as Farc assassinaram o governador, o ex-ministro e um grupo de oito soldados”, afirmou o senador Vélez aos jornalistas na sede do Congresso. O presidente Uribe seguiu para Medellín, capital de Antioquia, para analisar a situação.

Estão sendo investigadas no momento as circunstâncias da morte dos dois sequestrados. Segundo as rádios locais, junto com Echeverri e Gaviria também morreram oito policiais.

Em março, as Farc divulgaram um vídeo do governador, do ex-ministro e de outras personalidades que mantêm sequestradas.

Os reféns pediam ao governo do presidente Alvaro Uribe e aos líderes das Farc que selassem o quanto antes um acordo que permitisse sua libertação, segundo o telejornal Caracol.

Vídeo

No vídeo – entregue por rebeldes à redação do telejornal, na cidade de Santa Marta, e cuja data de gravação não foi divulgada – aparecem Guillermo Gaviria, Gilberto Echeverri, e o ex-ministro de Desenvolvimento Econômico Fernando Araújo.

Também são mostrados oficiais e suboficiais do Exército e da Polícia capturados pelos guerrilheiros há mais de quatro anos. Os reféns, que enviaram mensagens a parentes e ao governo, aparentavam estar bem de saúde.

Gaviria e Echeverri foram sequestrados em 21 de abril do ano passado, quando lideravam uma marcha contra a violência perto do Município de Caicedo, em Antioquia. Já Araújo foi capturado em 4 de dezembro de 2000, na cidade de Cartagena.

Os sequestrados foram incluídos pelas Farc numa lista de personalidades que a organização pretendia trocar por rebeldes presos.

As Farc têm cerca de 20 mil combatentes e são o exército rebelde mais antigo da América Latina.