Farah revela em seu depoimento a existência de uma terceira pessoa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de fevereiro de 2003 as 14:09, por: cdb

O cirurgião plástico Farah Jorge Farah, de 53 anos, contou em depoimento à Justiça como matou a paciente e ex-namorada Maria do Carmo Alves, de 46 anos, na noite do dia 24 de janeiro em sua clínica em Santana, zona norte da cidade.

Farah, que afirmou em depoimento anterior à polícia que ter lapsos de memória sobre o crime, se recordou de mais alguns detalhes e trouxe um fato novo: o envolvimento de uma terceira pessoa no caso.

O processo corre em segredo de Justiça e a imprensa não teve acesso à sala de depoimento, que aconteceu nesta sexta-feira. A promotoria do caso forneceu as informações.

“Ele disse que Maria do Carmo avançou contra ele com uma faca e deixou claro que pegou a faca da mão dela e enfiou no corpo”, disse o promotor Orides Boiati, do 2ºTribunal do Juri, após o depoimento.

Segundo o promotor, o médico deu mais alguns detalhes do ocorrido. Ele se lembrou de que limpou o sangue de Maria do Carmo espalhado pela clínica e de que pegou sacos plásticos para colocar as partes do corpo.

Ele alega ainda que não se recorda do esquartejamento da vítima, mas que alguns flashes estariam em sua memória. Farah trouxe também um fato novo: o suposto envolvimenro de Maria do Carmo com uma outra paciente, identificada como Maria da Graça. Segundo o médico, as duas estariam perseguindo ele e sua família.

O promotor levantou que Maria da Graça entrou com uma ação cível no fim do ano passado de pedido de indenização contra Farah. “A situação de Farah pode piorar. Ele pode ter matado Maria do Carmo por vingança ou porque temia que a vítima falasse alguma coisa a mais que o complicasse”, analisa o promotor.