Famílias da região de Minas afetada por terremoto serão realocadas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de dezembro de 2007 as 21:01, por: cdb

 O governador de Minas Gerais, Aécio Neves, visitou nesta segunda-feira o município de Itacarambi, a cerca de 660 quilômetros de Belo Horizonte, e sobrevoou o distrito de Caraíbas, região atingida por um abalo sísmico na madrugada de domingo. Aécio informou que as casas com a estrutura comprometida em função do terremoto serão reconstruídas em outra localidade, por meio de uma parceria com a prefeitura.

— Eu determinei ao prefeito que, rapidamente, indique uma área para onde nós possamos transferir essas pessoas, provavelmente, para a própria sede do município. Estamos dando toda a assistência necessária nesse primeiro momento, mas é algo que realmente abala as pessoas —, disse.

O governo mineiro autorizou a entrega de 12 toneladas de cestas básicas, cobertores e colchões para a população atingida.

Uma equipe do Observatório Sismológico (Obsis), da Universidade de Brasília (UnB), chegou hoje ao município para fazer uma avaliação dos impactos do tremor de terra, que alcançou 4,9 pontos na escala Richter e foi um dos 20 maiores já registrados no Brasil, de acordo com o Obsis.

Segundo o capitão Edlan Arruda, da Defesa Civil de Minas Gerais, laudos técnicos estão sendo preparados para auxiliar a prefeitura.

— Estamos fazendo uma avaliação junto com o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar em todas as casas para saber o que aconteceu, se precisam ser demolidas, e ter um cronograma de reconstrução —, afirmou.

O terremoto atingiu 76 casas da região, de acordo com a Defesa Civil. Uma criança de 5 anos morreu, seis pessoas ficaram feridas e cerca de 380 estão desabrigadas.

De acordo com o governador Aécio Neves, não há nenhuma previsão de que um novo abalo sísmico ocorra, segundo os professores da UnB. Mas ele comentou que isso é imponderável.

— Estamos falando de catástrofes naturais. Por mais que possa haver algum cuidado, ou prevenção, pode ocorrer novamente, o que esperamos que não aconteça —, disse.