Família de refém britânico faz apelo a Blair

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de setembro de 2004 as 08:43, por: cdb

A família de um refém britânico ameaçado de morte no Iraque implorou nesta terça-feira para o primeiro-ministro Tony Blair cumprir as exigências dos sequestradores e salvar a vida dele.
Kenneth Bigley, 62, é refém, junto com o norte-americano Jack Hensley, do grupo Tawhid e Jihad, liderado por Abu Musab al-Zarqawi, aliado da rede Al Qaeda. Outro norte-americano sequestrado com eles na última quinta-feira, Eugene Armstrong, foi decapitado e o vídeo da morte foi mostrado na Internet nesta segunda.

O filho de Bigley, Craig, fez um apelo direto a Blair, aumentando a pressão sobre o primeiro-ministro, que já viu sua taxa de popularidade cair devido à participação na guerra no Iraque.

– Peço para Tony Blair considerar pessoalmente a quantidade de sangue já derramado – afirmou Craig em declaração ao canal de televisão BBC News 24.

– Só você pode salvá-lo agora…Por favor, cumpra as exigências e liberte meu pai – duas mulheres por dois homens – argumentou ele.

Os EUA mantêm em uma prisão especial duas cientistas suspeitas de terem trabalhado nos programas de armas proibidas do ex-ditador Saddam Hussein. No vídeo da execução de Armstrong, os sequestradores disseram que o mataram porque as autoridades dos EUA não libertaram prisioneiras que estão em cadeias iraquianas. Eles deram mais 24 horas para Washington cumprir a exigência ou matarão os outros reféns.

Um porta-voz do gabinete de Blair disse que não tinha mais nada a dizer por enquanto.

– Estamos acompanhando a situação de perto e o governo está fazendo tudo o que pode – disse.

O secretário das Relações Exteriores britânico, Jack Straw, disse à família de Bigley que o governo está fazendo o possível para libertá-lo, relatou um porta-voz nesta terça-feira. Uma linha aberta 24 horas foi lançada através de um apelo de TV no Iraque, pedindo informações.

– A resposta vem sendo muito boa – disse o porta-voz.

O irmão de Bigley Philip disse ao canal de televisão Sky:

– Não somos políticos. Ele (Blair) é o chefe político do nosso país. É o primeiro-ministro quem tem o poder para salvar a vida de Ken…A morte do refém americano provou que se nada for feito, então os outros dois reféns morrerão do jeito mais terrível – disse.