Explosões atingem Bagdá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 26 de outubro de 2003 as 17:27, por: cdb

Ao menos duas explosões atingiram, no início da noite deste domingo, uma área de Bagdá que inclui a base dos norte-americanos no Iraque. A informação é do próprio exército dos Estados Unidos. Um porta-voz disse que as explosões aconteceram na região onde também está situado um hotel de segurança máxima, também atingido por foguetes rebeldes no começo do dia.

Guerrilhas lançaram foguetes no Hotel Al Rachid, onde o subsecretário de Defesa dos EUA, Paul Wolfowitz, estava hospedado, matando um soldado norte-americano e ferindo 17 pessoas. Acredita-se que Wolfowitz tinha deixado o hotel antes das explosões que atingiram o local.

Powel fica surpreso

O secretário de Estado norte-americano Colin Powell condenou o ataque com mísseis contra um hotel em Bagdá no qual se hospedam americanos.

O secretário acrescentou que Washington não esperava o nível de ataques que se realizam no Iraque após ter declarado o fim da guerra.

Ataque não machuca o subsecretário de Defesa americano

O subsecretário de Defesa americano, Paul Wolfowitz, saiu ileso do ataque com granadas contra o hotel Al Rachid de Bagdá, onde se encontrava alojado, informou um porta-voz militar americano.

Segundo um funcionário do hotel, há 14 feridos, entre eles um tradutor que trabalha com as forças americanas.

No hotel, que foi atingido às 06.00 (01.00 de Brasília) por seis a oito granadas que explodiram no lado oeste, estavam instalados outros oficiais da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

Wolfowitz, em declarações aos repórteres, qualificou o ataque de “ato terrorista”, que “não poderá deter nossa missão”.

“Há algumas pessoas que se recusam a aceitar a realidade de um novo e livre Iraque”, disse, ao se referir “aos que olham para o passado”.

Wolfowitz, um dos que apoiavam a guerra que derrubou o então presidente Saddam Hussein, chegou ao Iraque na sexta-feira para uma visita de três dias, com uma agenda marcada por reuniões com os altos comandantes da coalizão e membros do Conselho de Governo.

O número de forças de segurança em torno do hotel Al Rashid não foi aumentado e o que se vê nas imediações do prédio são grupos de curiosos e vários jornalistas que tentam entrar.