Expectativa em relação à taxa básica de juros do Copom

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de maio de 2006 as 10:15, por: cdb

O Comitê de Política Monetária (Copom) encerra nesta quarta-feira a quarta reunião do ano, iniciada na última terça-feira. No fim da tarde está prevista a divulgação da taxa básica de juros da economia (taxa Selic), que vai vigorar até a próxima reunião do Comitê, marcada para os dias 18 e 19 de julho. Atualmente, a Selic está em 15,75% ao ano.

A reunião começou com a expectativa geral dos especialistas do mercado financeiro de que o colegiado do BC reduza a taxa em pelo menos 0,50 ponto percentual, de acordo com pesquisa semanal divulgada pelo banco no início da semana.

Da primeira parte da reunião participaram todos os diretores do BC, que ouviram análises técnicas dos chefes de departamento e do gerente de Relacionamento com Investidores. Essas exposições que versam sobre controle da inflação, política monetária, setor externo, macroeconomia, política fiscal e demais aspectos que possam influir no processo de abrandamento da taxa de juros.

A definição sobre a “calibragem” dos juros só deve ser anunciada no início da noite desta quarta, quando terminar a segunda parte da reunião, da qual participam só os nove dirigentes do BC (com direito a voto) e o chefe do Departamento de Política Econômica (sem voto).

Para o ministro da Fazenda Guido Mantega, o Banco Central irá avaliar com sensibilidade o atual cenário econômico para promover uma “redução adequada” na taxa de juros. Além disso, o ministro avaliou como eficiente a atuação da autoridade monetária e do Tesouro Nacional no trabalho de enfrentar a atual turbulência que atinge os mercados financeiros. Mantega disse que confia no Copom e no Banco Central e que acredita que eles terão sensibilidade para chegar a uma redução adequada da taxa de juros, sem, npo entanto,  fazer projeções de quanto seria a redução.

Além de os juros já estarem em um patamar historicamente baixo, também preocupa o mercado a possibilidade de continuidade dos aumentos de juros nos Estados Unidos.