Exigências da Suíça dificultam investigações sobre caso Maluf

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de janeiro de 2002 as 00:01, por: cdb

O Ministério Público Estadual (MPE) de São Paulo e a Procuradoria da República, que investigam o caso Jersey – existência de contas bancárias em nome do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB) no exterior -, admitem estar encontrando dificuldades formais para cumprir as exigências das autoridades suíças, mas os promotores de Justiça e os procuradores federais acreditam que poderão encaminhar rapidamente à Genebra os dados complementares.

Para eles, o que os suíços querem, que é um relato com informações sobre supostos ilícitos praticados por Maluf, pode ser encontrado em documentos juntados às ações civis por improbidade administrativa abertas em São Paulo contra o ex-prefeito. Os promotores suspeitam que recursos públicos teriam sido desviados de contratos de realização de obras viárias firmados pela administração Maluf (1993 a 1996) e abastecido fundos mantidos pelo ex-prefeito na Suíça e em Jersey.

As suspeitas recaem sobre os contratos da Avenida Água Espraiada e do Túnel Ayrton Senna, empreendimentos que teriam provocado desvio estimado pelo Ministério Público em R$ 221 milhões. O problema é que as investigações da Promotoria da Cidadania não foram suficientes para levar à condenação de Maluf – ele é réu em duas ações civis sobre a obra do túnel. No caso da Água Espraiada, o ex-prefeito não é acusado perante a Justiça. Paulo Maluf rebate as acusações e afirma que essas obras não foram superfaturadas.