Exército enfrenta Estado Islâmico na Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 3 de junho de 2015 as 14:13, por: cdb
Alguns dos maiores combates aconteceram perto de uma prisão ao sul da cidade de Hasaka
Alguns dos maiores combates aconteceram perto de uma prisão ao sul da cidade de Hasaka

 

Tropas sírias e milicianos travaram batalhas duras com combatentes do Estado Islâmico no nordeste da Síria de terça para quarta-feira, disseram um grupo de monitoramento da guerra e a mídia estatal nesta quarta-feira, à medida que os dois lados disputam o controle de territórios próximos da fronteira com o Iraque.

Alguns dos maiores combates aconteceram perto de uma prisão ao sul da cidade de Hasaka, depois de o Estado Islâmico explodir uma bomba nas imediações, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, sediado em Londres.

A televisão estatal também relatou os confrontos, dizendo que transcorreram ao redor da prisão ainda em construção. Os combatentes do Estado Islâmico vinham tentando entrar no edifício em obras depois de detonarem cinco carros-bomba, declarou a TV em um boletim de notícias.

A província circundante de Hasaka, o triângulo do nordeste sírio que faz divisa com Turquia e Iraque, é uma área estratégica porque conecta terras sob domínio do Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Os avanços constantes dos insurgentes em frentes de batalha cruciais na Síria fizeram aumentar a pressão militar sobre o presidente sírio, Bashar al-Assad, cujo governo vê as áreas do oeste próximas da capital e da costa como uma prioridade cada vez maior no conflito de quatro anos.

O grupo Hezbollah, apoiado pelo Irã e aliado crucial de Assad, disse em um comunicado ter ocupado o topo de três colinas na região montanhosa ao leste da cidade libanesa de Arsal, que foi atacada em agosto passado pela Frente Al-Nusra, ligada à Al Qaeda, e pelo Estado Islâmico.

Militantes mortos

Mais de 10 mil militantes do Estado Islâmico foram mortos desde que a aliança internacional liderada pelos Estados Unidos iniciou uma campanha contra o grupo radical, há nove meses, no Iraque e na Síria, disse nesta quarta-feira o subsecretário de Estado norte-americano Antony Blinken.

Após encontro da aliança em Paris, Blinken disse que houve um grande acordo sobre progresso na luta contra o Estado Islâmico, mas o grupo continua resistente e capaz de tomar a iniciativa.

– Vimos muitas perdas dentro do Daesh desde o começo desta campanha, mais de 10 mil – disse Blinken à rádio France Inter, usando um termo levemente depreciativo para o Estado Islâmico. “Isto vai acabar tendo um impacto”, acrescentou.

Na terça-feira, Estados ocidentais e árabes que realizam ataques aéreos contra militantes do grupo extremista apoiaram o plano do Iraque de retomar territórios, após serem acusados pelo governo iraquiano de não fazerem o suficiente para ajudar Bagdá a retirar os insurgentes.

– No início desta campanha falamos que iria demorar – disse. “Fizemos um plano de três anos e estamos há nove meses nele”, acrescentou.