Ex-presidente do Incra faz acusações ao governador de Roraima

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de dezembro de 2003 as 08:25, por: cdb

 O ex-presidente do Incra Marcelo Resende, demitido há dois meses pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta quarta-feira, durante palestra sobre direitos humanos no Brasil, que, quando ainda ocupava o cargo, foi procurado pelo governador de Roraima, Flamarion Portela (PT) para pedir que terras públicas fossem destinadas a empresas privadas de agronegócios.

Segundo Resende, Portela estava acompanhado por um grupo de parlamentares da região Norte e pelo ex-ministro da Agricultura Alisson Paulinelli.

-Eles solicitaram que eu destinasse terças públicas para empresas privadas, para expansão da produção de grãos nos Estados da região amazônica- relatou o agrônomo, ligado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

De acordo com Marcelo Resende, Flamarion Portela vinculou a solução do problema ao apoio à reforma tributária que estava em discussão na época. “Foi colocado pelo governador, na minha frente: ´Esses índios e esses posseiros não geram desenvolvimento no meu Estado e só atrapalham, emperram o desenvolvimento´”. O ex-presidente do Incra disse que, “se não fosse equacionada a situação, eles retirariam o apoio à reforma tributária”. O ex-presidente do Incra não detalhou que tipo de providências tomou depois de receber os pedidos dos políticos e empresários.

Flamarion Portela tem causado muita dor de cabeça ao PT, por causa das investigações sobre o esquema que desviou R$ 500 milhões de dinheiro público de Roraima, pagos a falsos funcionários públicos, chamados de gafanhotos. A polícia investiga se o governador tinha conhecimento das contratações de fantasmas e até que ponto estaria envolvido no escândalo.