Ex-militar argentino é preso por crime contra direitos humanos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de dezembro de 2001 as 20:35, por: cdb

As autoridades argentinas prenderam um ex-marinheiro do país que é acusado em vários países europeus de cometer violações contra os direitos humanos. Alfredo Astiz ficou conhecido na imprensa como o “Anjo da Morte Louro” e é acusado de uma série de crimes supostamente cometidos durante o regime militar argentino, que durou de 1976 a 1983. O ex-marinheiro foi detido a pedido da Justiça sueca por causa do desaparecimento de uma jovem dessa nacionalidade, chamada Dagmar Hagelin, durante o regime militar na Argentina.

A prisão do ex-militar argentino ocorreu em Mar del Plata, por ordem do juiz federal Sergio Torres. Astiz já esteve preso neste ano a pedido da Itália, que investiga o desaparecimento de três dos seus cidadãos, também durante o governo militar argentino. Nas outras ocasiões em que foi preso, Astiz acabou sendo liberado.

Até hoje, a Argentina não extraditou para a Europa nenhum militar ou civil acusado de violar os direitos humanos. Desta vez, porém, a posição do atual governo poderá ser diferente.

Embora ainda não haja uma posição sobre o pedido de extradição atual, o novo secretário da Justiça, Alberto Zuppi, reiterou que o governo do presidente Adolfo Rodríguez Saá vai corrigir a postura do Judiciário, que nessa questão “tem se subordinado ao poder Executivo”. A Suécia tem um prazo de 40 dias para formalizar o pedido de extradição de Astiz, que está com 49 anos.