Ex-funcionário da Delta fica calado e Leréia falta à CPMI do Cachoeira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de setembro de 2012 as 12:14, por: cdb
Delta
O deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) é suspeito de manter negociações com Cachoeira

O ex-funcionário da construtora Delta André Teixeira Jorge, que era motorista de Cláudio Abreu, ex-gerente da empresa no Centro-Oeste, evocou o direito de permanecer em silêncio e foi dispensado do depoimento pelo presidente da CPMI do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).

Teixeira Jorge obteve liminar em pedido de habeas corpus impetrado no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é apontado pela polícia como integrante da organização. As investigações apontam que sua evolução patrimonial e suas movimentações financeiras são incompatíveis com os rendimentos declarados. Por isso, há suspeitas de que ele seja usado como “laranja” pelo grupo.

O outro depoimento de hoje, do deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), foi cancelado e ainda não foi remarcado. O deputado enviou ofício à comissão afirmando que tinha compromissos inadiáveis marcados para hoje.

Leréia

O deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), que também tinha o depoimento marcado para esta terça, enviou nota na segunda-feira pedindo para alterar a data de sua ida ao Congresso. A expectativa era de que ele respondesse às perguntas dos parlamentares, já que, em entrevistas, o deputado se mostrou disposto a esclarecer os fatos. Investigação da Polícia Federal apontou ligação de Leréia com a organização de Carlinhos Cachoeira.

De acordo com as investigações, ele teria recebido dinheiro da organização. Além disso, teria alertado Carlinhos Cachoeira sobre uma operação policial e usado o cartão dele para fazer compras. Em entrevistas concedidas após as denúncias, o deputado se declarou amigo de Cachoeira e negou ter ligação com a exploração de jogos ilegais.

Na Câmara dos Deputados, Leréia enfrenta processo que pode levar à cassação. Uma comissão de sindicância formada por quatro parlamentares, mais o corregedor da Câmara, deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), votou pelo encaminhamento do processo ao Conselho de Ética. A decisão final sobre o encaminhamento ao conselho caberá à Mesa da Câmara.

Reunião de amanhã

Vital do Rêgo convocou as lideranças dos partidos para uma reunião em seu gabinete às 16 horas. O objetivo é tentar um acordo para uma reunião administrativa nesta quarta-feira. A reunião administrativa só poderá acontecer se houver um acordo entre os líderes partidários.

O relator da comissão, deputado Odair Cunha (PT-MG), disse que apresentará na reunião das 16 horas um balanço de todos os documentos recebidos pela comissão e uma relação dos que faltam. “Isso se tornou muito mais importante, diante do código de silêncio dos depoentes”, disse.

Para o vice-presidente da CPMI, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), o relator deveria apresentar um relatório parcial para ser analisado pelos membros da comissão. “Hoje à tarde, sugiro ao relator apresentar um cronograma. Pode ser um relatório em partes para completarmos”, disse.

Cunha concordou que é importante compartilhar as informações de seu relatório, mas disse que a “espinha dorsal” de sua análise foi apresentada no plano de trabalho da relatoria no início dos trabalhos da comissão.