Ex-deputados do PT dizem que aceitam voltar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de janeiro de 2005 as 20:14, por: cdb

Os ex-deputados Airton Soares (São Paulo) e José Eudes (Rio) disseram neste sábado que aceitarão voltar ao PT, se forem convidados pelo presidente nacional do partido, José Genoino. Genoino informou que os dois – e mais a atriz Bete Mendes – seriam convidados a voltar ao partido e que deveriam ter as fichas abonadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os três afastaram-se do PT em 1985, ante a iminência de serem expulsos por terem votado em Tancredo Neves no Colégio Eleitoral.

Não há impeditivo legal ou político à volta dos três. Do ponto de vista político, dois líderes incontestados do PT – Lula e Genoino – foram contra a expulsão, em 1985; da ótica legal, eles não chegaram a ser expulsos e a direção do partido, à época nem sequer encaminhou o pedido de expulsão à Comissão de Ética. Em 1985, a principal voz a condenar o voto em Tancredo foi o então secretário-geral do PT, Francisco Weffort, que sairia do PT para ser ministro do governo Fernando Henrique Cardoso.

Soares sugere que, com a experiência parlamentar, poderia colaborar com o partido.

– Se o presidente Lula achar que nós podemos ajudar numa base parlamentar no futuro e se não houver reação interna, não há como recusar um convite desses – disse ele neste sábado.

Mas ressalva que uma volta só teria sentido se houver um projeto político definido.

– O presidente Genoino era meu vice-líder em 1982 e sabe que o PT ocupou um espaço notável no cenário político tendo apenas oito deputados, 10% do que tem hoje – contou, apregoando sua vivência.

Já Eudes aceita voltar, mas não tem projeto parlamentar:

– Se voltar, serei um mero militante – diz. Ele afirma que não é candidato a nada e que o tempo de parlamentar passou:

– Tem gente nova e boa na parada – desculpa-se.

– E eu sou apenas um apoiador do PT hoje.

Eudes diz não ter guardado nenhuma mágoa do estigma que se abateu sobre os três que votaram em Tancredo:

– Eu fiz o que a minha consciência e meus eleitores mandaram naquela época – sentencia. Mas lembra que o principal detrator dos três foi Weffort.

Ele conta que o psicanalista Hélio Pellegrino ligou para Lula e protestou contra a expulsão dos três. Pellegrino, um militante petista, disse a Lula que o partido estava se comportando como uma legenda stalinista. Na mesma época, o renomado crítico de arte Mário Pedrosa também protestou contra a proposta de expulsão.

Soares e Eudes dizem ter grande apreço por Lula e Genoino por terem sido defendidos por eles em 1985. Soares conta que recentemente Lula o pegou pelo braço e perguntou se estava bem de vida. Ele respondeu que estava advogando e se sentia bem. Dias depois recebeu um convite para integrar o Conselho de Administração da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Eudes, por seu turno, presidia a Light Par no governo FHC e pensou entregar o cargo quando Lula assumiu. Mas o presidente quis que ele permanecesse:

– Foi um gesto generoso de Lula, sempre simpático e conciliador – conta.

Soares está sem filiação partidária, depois de cancelar a ficha no PDT por desentendimentos com Leonel Brizola. Eudes está filiado ao PSDB, para onde foi depois de uma passagem pelo PDT. A atriz e ex-deputada Bete Mendes não foi encontrada para comentar a notícia.