Evitar a guerra é problema de todos, diz o Vaticano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de fevereiro de 2003 as 15:24, por: cdb

O Vaticano lembrou hoje “a responsabilidade de todas as partes envolvidas para evitar que ocorra um trágico conflito” no Iraque. A declaração foi feita pelo porta-voz do Vaticano, Joaquín Navarro-Valls, resumindo as conversações mantidas, na Santa Sé, com o ministro de Relações Exteriores alemão, Joschka Fischer.

“Nossa posição é comum”, declarou Fischer após a audiência com o papa João Paulo II, com o secretário de Estado, cardeal Angelo Sodano, e o “vice-chanceler” do Vaticano, Jean Louis Tauran.

“O papa está preocupadíssimo e a situação é extremamente séria”, acrescentou o ministro alemão, que abordou hoje, na Santa Sé, o tema da crise iraquiana e as eventuais margens para evitar uma guerra.

Fischer chegou a Roma procedente de Nova York, onde, na última quarta-feira, presidiu à reunião do Conselho de Segurança (CS) da ONU durante a qual o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, apresentou supostas provas da existência do arsenal militar, químico e bacteriológico que seu governo atribui a Saddam Hussein.

A Alemanha é o país europeu mais firmemente contrário a uma intervenção militar – medida que subordina a novas inspeções da ONU para verificar o estado real do armamento iraquiano.

Rússia e Alemanha reiteraram a rejeição, no momento, de uma segunda resolução do CS sobre o Iraque.

O porta-voz do governo alemão, Hans-Hermann Langguth, declarou em Berlim que seu governo não vê razões, atualmente, para uma nova resolução da ONU.