Europeus ficam indgnados por vítimas do calor

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de agosto de 2003 as 11:08, por: cdb

Estimativas recentes indicam que quase 20 mil idosos podem ter morrido por causa da onda de calor que atingiu a Europa no mês de agosto. O número provoca indignação e incredulidade de Paris até Palermo.

A França está chocada com a imagem dos corpos não-identificados lotando as geladeiras dos necrotérios. O governo admite falhas e nomeou especialistas para descobrir quantas das 13,6 mil mortes adicionais de agosto estavam diretamente ligadas ao calor, o mais intenso em 60 anos. A Itália também investiga a suspeita de que a temperatura tenha provocado um aumento de 20% na mortalidade durante este verão. Desde junho, os termômetros superam com freqüência os 40ºC.

Na Espanha, uma ONG afirma que o calor matou 2 mil pessoas e o governo fala em apenas 101 mortes. Já as autoridades portuguesas admitem que 1,3 mil pessoas morreram no país, que também teve graves incêndios florestais.

“Somos todos culpados. Mesmo que os dados não sejam definitivos, sabemos que milhares de pessoas morreram, o que é uma tragédia, e isso mostra que o sistema não funciona adequadamente”, disse Jean-Louis Sanchez, diretor da ONG francesa Odas. “Isso atingiu principalmente os idosos frágeis, frequentemente isolados, que estavam muito vulneráveis”, disse ele, cobrando das famílias mais cuidados com os parentes idosos.

Neste ano, a França foi mais atingida pelo calor que a Espanha e a Itália, onde a temperatura normalmente é mais elevada e a maioria das casas tem ventiladores ou aparelhos de ar-condicionado. Mesmo países com verões normalmente amenos, como Holanda e Grã-Bretanha, tiveram vítimas desta vez. O ministério holandês da Saúde disse que foram entre 500 e mil mortos, enquanto na Grã-Bretanha a estimativa oficial para a semana que terminou em 15 de agosto é de 907 mortos a mais do que a média desse período em outros anos. A Alemanha, que sofre com a falta de umidade, ainda não divulgou estimativas.