EUA vai mandar ajuda alimentar para a Coréia do Norte

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 21 de fevereiro de 2003 as 23:12, por: cdb

O secretário de Estado americano Colin Powell afirmou nesta quinta-feira, que Washington irá anunciar em breve uma nova remessa de alimentos para a Coréia do Norte através do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas.

Powell deu esta informação no Alasca, onde fez uma escala no início de sua viagem de cinco dias pelo Japão, China e Coréia do Sul para abordar a crise com a Coréia do Norte, que começou pela retomada do programa nuclear do regime de Kim Jong Il.

“Faremos em breve um anúncio sobre um passo inicial e então estudaremos as necessidades do Programa Mundial de Alimentos, e partir daí veremos qual pode ser nossa contribuição adicional nos próximos meses”, disse o secretário de Estado à imprensa.

Powell explicou que poderá ser mais preciso sobre os termos deste anúncio durante a viagem, que acaba na terça-feira na Coréia do Sul, onde o secretário de Estado vai assistir a cerimônia de posse do novo presidente desse país, Roh Moo Hyun.

Os Estados Unidos não enviam mais alimentos para a Coréia do Norte desde dezembro passado, alegando falta de autorização do Congresso.

Washington expressou em várias ocasiões sua preocupação pela maneira como as autoridades norte-coreanas fazem distribuição dos alimentos, em função de seus interesses políticos, em um país que sofre uma grave fome há anos.

“Não deveríamos utilizar a comida para ajudar a elite do regime norte-coreano permanecer no poder. Deveríamos empregar a comida para ajudar as pessoas que estão numa situação desesperada”, disse o secretário de Estado.

Powell vai para a Ásia com o objetivo de impulsionar uma solução “regional” para a crise com a Coréia do Norte, que inclui também a Rússia como interlocutor, e deixar claro que não pretende estabelecer negociações bilaterais com Pyongyang.

O Governo americano se manifestou disposto a falar com a Coréia do Norte sobre possíveis vias de solução para a crise, mas rejeitou categoricamente entrar em uma negociação formal para que Pyongyang interrompa seu programa nuclear.

Esta nova crise atômica na península coreana começou em outubro, quando os EUA anunciaram que a Coréia do Norte havia retomado seu programa de armas nucleares.

Esta violação de um acordo de 1994 entre Pyongyang e Washington levou Washington a suspender sua ajuda econômica e a Coréia do Norte, a abandonar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP)

Os EUA expressaram em seguida que temiam que as autoridades norte-coreanas estivessem reutilizando o combustível atômico empregado na central nuclear de Yongbyon para fabricar bombas atômicas.