EUA tentam deter a recessão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de agosto de 2001 as 21:11, por: cdb

Fed reduz taxa de juros dos EUA em 0,25 ponto percentual

Greenspan tenta evitar recessão nos EUA

O Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, anunciou nesta terça-feira uma redução de 0,25 ponto percentual na taxa de juros americana – que passou a ser de 3,5% ao ano, o nível mais baixo desde 1994.

O corte é o sétimo anunciado pelo Fed desde o início do ano e representa mais uma tentativa de evitar que a desaceleração econômica do país transforme-se em recessão.

A redução era esperada por todo o mercado, depois que dados recentes indicaram que a economia americana continua crescendo em ritmo lento, e os lucros das empresas continuam caindo.

O Fed afirmou que considerou a “fraqueza econômica” uma ameaça maior à economia do país do que a inflação – o que, para muitos, é um sinal de que novos cortes nos juros poderão ser anunciados.

Reações do mercado

Além de reduzir a taxa de juros, o Fed ainda cortou a taxa de descontos, também em 0,25 ponto percentual, para 3%.

O mercado financeiro não se impressionou com o anúncio. Logo depois da divulgação da redução da taxa de juros, tanto o índice Dow Jones como o Nasdaq, que reúne as empresas de alta tecnologia, voltaram a registrar baixas.

Ao justificar sua decisão, o Fed disse que a economia americana também estava sendo afetada pelo baixo crescimento em outros países.

“Os lucros e os gastos das empresas continuam a cair, e o crescimento no exterior está ficando mais lento, o que pesa sobre a economia dos Estados Unidos”, afirmou o banco central.

Novos cortes?

Alguns analistas dizem que agora poderá ocorrer um novo corte nos juros na próxima reunião do Federal Reserve, marcada para o dia 2 de outubro.

“A declaração indica um caminho para prováveis reduções no futuro”, disse Frederick Breimyer, economista-chefe da State Street Corp.

Mas isso ainda não é certo. “Eu acho que o Fed está mantendo suas opções abertas e observando os números”, disse o economista Henry Wilmore, do Barclay’s Capital.

“A produção industrial e os números do varejo têm sido mais fortes, e se nós tivermos mais resultados nessa linha essa pode ter sido a última mudança (nos juros).”

Relatório

Um corte na taxa de juros era visto como praticamente certo, depois que o Fed publicou um estudo das condições econômicas regionais no início deste mês.

O relatório mostrou que o enfraquecimento do setor industrial estava se espalhando por todas as áreas da economia americana.

Mesmo os gastos dos consumidores – que têm se mantido relativamente altos – começaram a cair, com as vendas no varejo “lentas e freqüentemente abaixo das expectativas”.

Números preliminares relativos ao segunto trimestre do ano mostraram a economia americana crescendo a uma taxa anual de 0,7%.

Mas há o temor de que os números revistos, cuja divulgação deve ocorrer na próxima semana, mostrem que a economia dos Estados Unidos não tenha conseguido crescer nada ou, até mesmo, tenha se retraído.

Sétimo corte

O corte nos juros americanos foi o sétimo de 2001. A taxa agora está em seu mais baixo nível desde de fevereiro de 1994, quando era de 3,25%. No início deste ano, a taxa era de 6,5% ao ano.

Desde então, o Fed anunciou cinco cortes de meio ponto percentual e, em junho, reduziu a taxa em 0,25 ponto, para 3,75%.

Mas os cortes têm tido pouco impacto no desempenho do mercado de ações. Desde o início do ano, o índice Dow Jones caiu 5%, enquanto o Nasdaq sofreu uma queda de 25%.