EUA nomeiam militares para julgar terroristas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de maio de 2003 as 02:12, por: cdb

EUA dão passo decisivo para militares julgarem terroristas

O Pentágono nomeou nesta quinta-feira um promotor-chefe e um assessor de defesa, além de começar a procurar advogados civis, para o julgamento dos suspeitos capturados na guerra contra o terrorismo, dando um passo decisivo para levar os prisioneiros da Base de Guantánamo perante comissões militares.

O coronel da Força Aérea Will Gunn, designado como chefe da defensoria, pediu um processo mais aberto possível dentro dos limites da segurança nacional. Ele disse que a defensoria não era a posição que almejava.

– Quando fui contatado, reconheci imediatamente que a posição de glamour é a de promotor, uma oportunidade para ser um herói da América – disse o coronel

O coronel do Exército Frederich Borsh, nomeado promotor-chefe, rejeitou as críticas de alguns especialistas de que as regras determinadas pelo Pentágono para os julgamentos favorecem a acusação, restringindo a defesa.

– Não concordo que os procedimentos não serão justos e não vão dar oportunidades iguais para uma defesa zelosa – disse.

Borsh indicou que os réus estarão entre os cerca de 680 prisioneiros de várias nacionalidades detidos como combatentes ilegais, sem acusação ou representação legal na base naval da baía de Guantánamo, em Cuba.

Ainda não foi determinado quantos serão julgados, ressaltando que o presidente George W. Bush deve primeiro declarar quais prisioneiros são elegíveis para ser levados a esses tribunais, que será constituído por três a sete militares.