EUA não têm planos para atacar Irã, diz Powell

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de maio de 2003 as 10:08, por: cdb

Encerrando uma visita à Rússia, o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, disse nesta quinta-feira que Washington não pretende lançar nenhuma ação militar contra o Irã – um país que a Casa Branca acusa de desenvolver armas nucleares e apoiar atividades terroristas.

Teerã afirma que a usina nuclear que está construindo com a ajuda da Rússia, em Bushehr, é voltada para fins pacíficos. Mas os Estados Unidos argumentam que o Irã, um país rico em petróleo e com uma população de 66 milhões de habitantes, não precisa de energia nuclear, e querem que Moscou deixe de cooperar com o projeto.

– Nós estamos preocupados com o que o Irã está fazendo (com seu programa nuclear). Acreditamos que a Rússia também tem algumas apreensões. Nós trabalharemos com a comunidade internacional para persuadir o Irã de que não deve seguir nessa direção – declarou Powell à estação de rádio Ekho Moskvy, no último dia de visita à Rússia, de acordo com Reuters.

– Mas isso não é um assunto para as Forças Armadas dos Estados Unidos, no momento – acrescentou o secretário, que seguiu viagem para a Bulgária e a Alemanha, nesta quinta-feira.

Uma autoridade do Departamento de Estado norte-americano informou que, em recentes contatos com o Irã, Washington garantiu a seus interlocutores que não tem a intenção de depor outros governos no Oriente Médio.

No entanto, no início deste mês, Powell reiterou que o presidente norte-americano, George W. Bush, prometeu “confrontar” qualquer país que acolher terroristas ou ameaçar o “mundo civilizado”, e disse que a força militar seria uma de muitas opções.

Essas advertências, afirmou, dirigiam-se a Irã, Síria, Cuba, Sudão e Coréia do Norte – todos acusados pelo Departamento de Estado de apoiar o terrorismo.

O Irã tem sido há muito tempo um espinho nas relações entre os Estados Unidos e a Rússia – as quais foram recentemente testadas pelas divergências em relação à guerra no Iraque.

Durante os dois dias de visita de Powell a Moscou, os dois lados desdobraram-se para reafirmar a amizade bilateral.

Mas Powell não conseguiu convencer o presidente russo, Vladimir Putin, a apoiar os termos de um projeto de resolução apresentado pelos Estados Unidos ao Conselho de Segurança das Nações Unidas para encerrar as sanções econômicas ao Iraque.

Ao final do encontro com Putin, Powell declarou, na quarta-feira, que havia “algumas questões a resolver” sobre o Iraque.

Também fizeram parte da agenda uma nova ofensiva contra o terrorismo e os planos para organizar um encontro de cúpula entre Putin e Bush em São Petersburgo, em 1° de junho, imediatamente antes da reunião do G-8 em Evian, na França.