EUA gastará mais US$ 51 bilhões para operar no Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 8 de setembro de 2003 as 15:49, por: cdb

Os Estados Unidos gastarão nas operações militares no Iraque US$ 51 bilhões da verba suplementar de 87 bilhões que a Casa Branca pedirá ao Congresso. A Casa Branca explicou hoje como usará a verba extraordinária se ela for autorizada pelo Congresso.

Essa quantia se somaria aos US$ 79 bilhões suplementares que o Congresso já aprovou em abril passado para financiar os custos da guerra e da ocupação do Iraque e da guerra contra o terrorismo.

Da nova verba, US$ 66 bilhões serão gastos no próximo ano fiscal, que começa em 1° de outubro, nas operações militares e de inteligência nos dois países, e o resto, 21 bilhões, será destinado às tarefas de reconstrução.

Os 51 bilhões para as operações militares no Iraque serão usadas para manter o atual nível de forças posicionadas na região, de cerca de 130 mil soldados.

O Pentágono admitiu que gasta cerca de US$ 3,9 bilhões por mês na ocupação de Iraque.

Além disso, a Casa Branca afirma que vai financiar com US$ 800 milhões o transporte e as despesas de vários dos países “de recursos limitados” que contribuíram com forças para as operações militares.

O Pentágono vai dotar seus soldados de mais coletes e outros acessórios à prova de balas, enviará mais veículos Humvee com blindagem reforçada e substituirá o equipamento danificado ou destruído.

Para a reconstrução do Iraque serão destinados US$ 20 bilhões e o documento divulgado pela Casa Branca assinala que são necessários entre 50 e 75 bilhões para que a reconstrução do Iraque seja um êxito.

No caso do Afeganistão, país onde os EUA mantêm uma força de cerca de 10 mil soldados, seriam destinados 11 bilhões para as operações militares e uns 2,3 bilhões para a reconstrução do país.

Além disso, e segundo fontes do Congresso, que tem a decisão final sobre a quantia, também é necessária uma verba de 200 milhões de dólares para países do Chifre da África (como o Djibuti), onde há um importante suporte logístico às operações dos Estados Unidos na Ásia.

Finalmente, cerca de 2,2 bilhões seriam usados caso fosse necessário mobilizar mais forças da reserva.