EUA encerram a fase da diplomacia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de março de 2003 as 13:36, por: cdb

Na noite desta segunda-feira, o presidente norte-americano, George W. Bush, fará um pronunciamento, pela televisão, em que exigirá que o presidente iraquiano Saddam Hussein deixe o poder para evitar uma guerra, segundo o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer.

O embaixador britânico na ONU, Jeremy Greenstock, culpou a França pela decisão sobre o fim dos esforços diplomáticos, afirmando que os franceses deixaram claro que vetariam qualquer nova resolução.

“Os co-patrocinadores não porão em votação o esboço da resolução”, acrescentou. “Os co-patrocinadores reservam para si o direito de dar seus próprios passos a fim de garantir o desarmamento do Iraque”.

Em Washington, Fleischer anunciou que Bush fará seu pronunciamento às 20h (22h, em Brasília).

O porta-voz acrescentou que os esforços diplomáticos para evitar uma guerra haviam terminado, e que Saddam Hussein deveria deixar o Iraque para evitar uma ação militar.

Na ONU, o embaixador da França, Jean-Marc de La Sablière, disse que não havia maioria, entre os membros do Conselho, para autorizar o uso da força, rejeitando, assim, a alegação britânica de ter obstruído os esforços diplomáticos.

A proposta de resolução estabeleceria um prazo para que o Iraque demonstre estar cumprindo a exigência de desarmamento.

A França, um dos cinco membros permanentes do Conselho com direito a veto, afirmou que não aceitaria uma resolução que daria, efetivamente, um ultimato ao Iraque.

“Membros do Conselho declararam, repetidamente, que não seria legítimo autorizar o uso da força agora, enquanto as inspeções estabelecidas por resolução estão produzindo resultados, e essa é uma maioria no Conselho”, declarou La Sablière.

Já o embaixador norte-americano, John Negroponte, afirmou que Washington e seus aliados acreditam que o Iraque não cumpriu a resolução 1.441, que exige que o país cumpra resoluções anteriores que exigem seu desarmamento ou enfrente “sérias conseqüências”.

“O nosso governo acredita que o Iraque está, agora, em violação material” da resolução, acrescentou.

O Iraque afirma que desistiu de suas armas químicas e biológicas, de mísseis de longo alcance e de esforços para desenvolver uma bomba nuclear, e que tem cooperado com os inspetores da ONU que verificam seu desarmamento.