EUA dizem que não atacarão a Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 16 de abril de 2003 as 10:04, por: cdb

O secretário de Estado americano, Colin Powell, disse que os Estados Unidos não têm planos de atacar qualquer outro país no Oriente Médio depois do fim da guerra contra o Iraque.

Powell disse que o Iraque era um caso único.

Seus comentários foram feitos depois que os Estados Unidos continuaram a acusar a Síria de dar abrigo a membros do antigo governo iraquiano e de desenvolver armas de destruição em massa.

Também nesta terça-feira, a Grã-Bretanha e a Espanha se distanciaram da crescente pressão que os americanos fazem contra os sírios.

Amigo

O primeiro-ministro espanhol, José Maria Aznar, disse que a Síria é um país amigo e não seria alvo de qualquer ação militar.

O ministro do Exterior britânico, Jack Straw, falando durante uma visita ao Catar, insistiu que a Síria não é um alvo militar.

Mas ele disse que a Síria tem que provar que não está dando refúgio a membros do regime iraquiano.

Por outro lado, o primeiro-ministro israelense Ariel Sharon pediu mais pressão dos Estados Unidos sobre a Síria e acusou o presidente Bashar Al-Assad de esconder armas iraquianas.

As declarações americanas sobre a Síria receberam críticas de vários países do Oriente Médio.

O secretário-geral da Liga Árabe, Amr Musa, disse estar chocado com as ameaças de sanções comerciais e diplomáticas contra a Síria.

O governo do Egito alertou sobre ataques a países árabes.

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, e o chanceler alemão, Gerhard Schroeder, tiveram seu primeiro encontro desde que a guerra contra o Iraque começou.

Depois do encontro, em Hanover, na Alemanha, Blair disse que ele e Schroeder concordavam sobre o papel vital que a Organização das Nações Unidas (ONU) deve desempenhar na reconstrução do Iraque.

O presidente francês, Jacques Chirac, teve uma conversa telefônica – a primeira desde o começo de fevereiro – com o presidente americano, George W. Bush, sobre a guerra no Iraque.

Uma porta-voz de Chirac disse que a conversa foi positiva.