EUA confirmam que sedaram prisioneiros do Afeganistão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de janeiro de 2002 as 22:52, por: cdb

Os Estados Unidos confirmaram que dois prisioneiros supostamente ligados à Al-Qaeda e ao Talebã foram levados sedados para a base americana de Guantánamo, em Cuba. Um representante das Forças Armadas dos Estados Unidos informou que os dois homens receberam sedativos depois que começaram a gritar e a se debater em seus assentos no avião. Nesta segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha divulgou o nome de um dos três britânicos presos pelos Estados Unidos e levados do Afeganistão para a base militar americana.

Apesar da polêmica gerada pelas fotos dos prisioneiros divulgadas neste domingo por Washington, o governo britânico informou que Feroz Abbasi e os outros dois britânicos “não apresentaram reclamações” sobre as condições em que estão sendo mantidos. Segundo as autoridades britânicas, os três estão em bom estado de saúde, mas nas fotos divulgadas, os prisioneiros aparecem ajoelhados, algemados, acorrentados e usando orelheiras.

Um novo grupo de 34 prisioneiros desembarcou nesta segunda-feira em Guantánamo, algemados e usando vendas nos olhos. Um grupo de enviados do governo britânico passou o fim de semana inspecionando as condições dos prisioneiros na base militar americana. O relatório deve ser divulgado ainda hoje.

Com a chegada do último grupo, o número de prisioneiros chega a 144, mas acredita-se que a base receberá mais de 300 pessoas capturadas no Afeganistão. O governo britânico está evitando criticar a postura dos Estados Unidos. Comunicados divulgados pela Grã-Bretanha alegam que as fotos foram tiradas no desembarque dos prisioneiros e que é preciso haver cuidado para que não seja feito um julgamento precipitado. “Sempre defendemos o tratamento humanitário para os prisioneiros, e os americanos disseram que compatilham dessa mesma visão”, declarou o ministro das Relações Exteriores britânico, Jack Straw. Vários parlamentares do país, no entanto, têm expressado preocupação com os direitos humanos dos prisioneiros. Muitos dos parlamentares são do partido do governo.

Após a divulgação das fotos dos prisioneiros, o médico-chefe da organização não-governamental Anistia Internacional, Jim West, disse que ficou extremamente chocado com as fotografias. De acordo com West, as imagens lembram os métodos de tortura utilizados durante a década de 70, na Europa oriental. O tratamento dado aos presos na base de Guantánamo está despertando um debate sobre direitos humanos em várias partes do mundo.

O comandante da base naval de Guantánamo, general Mike Lehnert disse que um comitê da Cruz Vermelha fez várias recomendações sobre a situação dos prisioneiros. Segundo Lehnert, elas serão atendidas na medida do possível.