EUA aumentam pressão sobre o Iraque na ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de outubro de 2002 as 23:33, por: cdb

O governo dos Estados Unidos disse, nesta segunda-feira, que o debate nas Nações Unidas sobre uma nova resolução para o caso do Iraque já demorou “tempo suficiente” e é hora de votar.

O presidente americano, George W. Bush, tenta obter o apoio do Conselho de Segurança da ONU para um esboço de resolução que vai abrir caminho para uma ação militar contra o Iraque, se o país não atender às exigências para a inspeção de armas.

Apesar de crescente pressão dos Estados Unidos, o ministro do Exterior da França, Dominique de Villepin, voltou a dizer que seu país vai rejeitar qualquer cláusula na resolução que ameace automaticamente usar a força.

O chefe dos inspetores de armas da ONU, Hans Blix, prestou depoimento no Conselho de Segurança nesta segunda-feira, em uma semana crucial na organização para definir o futuro do Iraque.

Hans Blix

O Conselho de Segurança recebeu informações de Blix e Mohammed El-Baradei, da Agência Internacional de Energia Atômica, que está encarregada das inspeções de material nuclear.

Um diplomata que não quis ser identificado disse à agência de notícias francesa France-Presse, que Blix e El-Baradei podem ter um papel crucial para o resultado de uma votação sobre o Iraque.

“A tendência entre todos os membros do conselho é deixar Blix e El-Baradei serem os árbitros disso”, afirmou o diplomata.

Correspondentes afirmam que os depoimentos dos dois técnicos podem ter incluído novas regras para reforçar as inspeções propostas no esboço americano. Os depoimentos foram feitos a portas fechadas.

Powell

O secretário de Estado americano, Colin Powell, disse, domingo, que a ONU não pode debater a questão indefinidamente. Segundo Powell, “decisões fundamentais” têm que ser feitas na próxima semana.

Entre os membros-permanentes do Conselho de Segurança, a Grã-Bretanha apóia os Estados Unidos, mas a Rússia, a China e a França manifestaram fortes restrições à posição americana.

“As Nações Unidas já debateram isso tempo suficiente. Chegou a hora de as pessoas levantarem as mãos e darem seu voto”, disse o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer.

O presidente George W. Bush advertiu várias vezes que os Estados Unidos vão tomar medidas unilaterais contra o Iraque se não conseguirem apoio das Nações Unidas, mas que seu país prefere contar com o apoio internacional para qualquer campanha militar.

A França ainda apresenta objeções contra o aspecto mais controvertido do esboço de resolução dos Estados Unidos – a previsão de ação militar automática.