Estudo mostra fim da recessão no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de outubro de 2003 as 19:31, por: cdb

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro divulgou, nesta quarta-feira, pesquisa que revela o crescimento de 2,9% em setembro, na comparação com agosto, nas vendas reais do setor industrial fluminense.

O crescimento acumulado das vendas no ano é de apenas 1,7% e não deverá ultrapassar os 5% nos 12 meses. Os números integram o relatório Indicadores Industriais.

A chefe da Assessoria de pesquisas econômicas da instituição, Luciana de Sá, disse que a revisão ocorreu porque havia expectativa de uma “recuperação mais rápida” das vendas em setembro, que no entanto foi “lenta”.

– O sinal de recuperação é claro, mas, ao mesmo tempo, moderado. O certo é que o fundo do poço ficou para trás. Mas o índice de crescimento para este ano será bem mais modesto que o do ano passado, quando atingimos 13,71% – afirmou a chefe da assessoria de pesquisas econômicas da Firjan, Luciana de Sá.

Luciana de Sá salientou, entretanto, que o resultado de setembro foi negativamente influenciado pela indústria química, que tem o maior peso na estrutura industrial do Estado.

Segundo ela, caso as exportações de derivados de petróleo não tivessem registrado queda no período, levando à retração das vendas do setor químico (-7,09% ante agosto), a indústria fluminense teria registrado um aumento de 10% nas vendas reais em setembro na comparação com agosto.

A economista ressaltou também o aumento de 4,8% nas vendas reais da indústria do Rio no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre, com expansão de todos os setores pesquisados exceto o mecânico. “Isso mostra uma recuperação, que não é forte ou rápida, mas confirma que o fundo do poço ficou para trás”, disse.

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) também divulgou uma pesquisa, nesta quarta-feira, destacando o aumento de demanda, redução de estoques, alta da utilização da capacidade instalada e uma melhora generalizada no humor dos empresários estão entre as informações captadas pela Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação de outubro.

O coordenador da pesquisa Aloísio Campelo Júnior, acredita que a sondagem revela que a recessão que atingiu a indústria no primeiro semestre já chegou ao fim.