Estudo do Banco Mundial aponta para aumento na desigualdade na renda em todo o mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 18 de janeiro de 2002 as 20:46, por: cdb

Um estudo recém-divulgado mostra que o mundo está se tornando mais desigual, com um crescente aumento na diferença entre famílias ricas e pobres. A pesquista foi realizada pelo economista Branko Milanovic, do Grupo de Pesquisas de Desenvolvimento do Banco Mundial. Segundo o relatório, a desigualdade global está crescendo rapidamente, tendo aumentado cerca de 5% entre 1988 e 1993.

A diferença é tão grande que 1% das pessoas com uma renda anual de US$ 24 mil (cerca de 50 milhões de famílias) ganha mais do que 60% das famílias mais pobres (2,7 bilhões de passoas). O novo estudo é o primeiro a comparar rendas familiares em diferentes países, por meio de uma série de levantamentos que cobrem 84% da população mundial e 93% da renda global. Relatórios anteriores só haviam comparado a renda média de um país com a de outro.

O novo estudo revela que a diferença entre ricos e pobres é muito maior do que se imaginava. A pesquista indica também que a maior fonte de desigualdade é a diferença entre a renda dos habitantes das cinco maiores economias mundiais (Estados Unidos, Japão, Alemanha, França e Grã-Bretanha) e a renda dos moradores das áreas rurais da Índia, da China e do continente africano. O relatório mostra ainda que a crescente diferença entre as áreas rurais e urbanas da China foi outro fator que gerou desigualdade.

Durante os cinco anos compreendidos pelo estudo, a renda mundial per capita aumentou 5,7%. Mas todos os ganhos foram para os 20% que estão no topo da distribuição, cujos rendimentos subiram cerca de 12%. Já os rendimentos dos 5% mais pobres caíram cerca de 25%. Algumas das regiões onde os pobres ficaram ainda mais pobres são o Leste Europeu e os países da ex-União Soviética, onde a distribuição de renda piorou muito após o colapso do comunismo. Na região ao sul do deserto do Sahara, na África, guerras, fome e doenças levaram a uma forte diminuição da renda.