Estudante baleada é submetida a cirurgia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 6 de maio de 2003 as 08:29, por: cdb

A estudante de enfermagem Luciana Gonçalves Novaes, da Universidade Estácio de Sá, baleada na manhã desta segunda-feira no campus da instituição, no Rio Comprido, foi transferida para o Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo. Ela respira por aparelhos e foi submetida a uma cirurgia de reconstituição da medula que durou cerca de nove horas.

Secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho determinou a ocupação imediata do Morro do Turano por policiais do 1º BPM e 6º BPM. A ordem partiu logo depois que Garotinho soube do incidente. Cerca de 200 policiais ocupam a favela, mas durante as buscas, foram encontrados apenas dois revólveres, munições e sacolés de cocaína, mas ninguém foi preso.

Logo após ser atingida, Luciana foi levada para a Casa de Saúde Portugal. Ela chegou ao hospital desacordada e com dificuldades para respirar por causa do excesso de sangue na boca. Ela foi entubada imediatamente e colocada no soro para reanimação. A estudante foi submetida a uma tomografia. A bala perfurou a mandíbula esquerda de Luciana e se alojou entre a segunda e terceira vértebras.

O diretor do hospital Casa de Portugal, Carlos Alberto Chiesa, confirmou que a bala que a atingiu está alojada entre as segunda e terceira vértebras cervicais. Isso poderá deixar a estudante tetraplégica. “O projétil, que é de grosso calibre, atingiu a medula da estudante, que pode vir a perder os movimentos superiores e inferiores, além de ter comprometido o sistema respiratório”, informou Chiesa.

Policiais do 1º Batalhão da Polícia Militar disseram que houve outro ferido, Marcelo Araújo Mattos, de 24 anos, que é funcionário da universidade. Marcelo foi atingido por estilhaços de bala na nádega esquerda durante o tiroteio de hoje de manhã. Ele está lúcido, passa bem e está sendo medicado apenas para aliviar a dor local. Marcelo poderá deixar o hospital ainda nesta tarde.

O chanceler da Estácio de Sá, Arthur da Távola, disse que a universidade recebeu, através de uma carta, ordem para que as portas fossem fechadas. A direção tentou evacuar os prédios do campus no Rio Comprido, mas a estudante foi atingida antes de que a operação fosse encerrada.

Seguranças da Universidade Estácio de Sá fecharam os portões e policiais militares tomaram o local. O clima de pânico tomou os alunos, que abandonaram as aulas. Familiares de Sapinho foram à porta da universidade para denunciar o desaparecimento de outros dois jovens. Eles explicaram que durante uma operação policial na última sexta-feira, três rapazes foram presos. Entretanto, um deles apareceu morto logo depois da prisão.

O comércio nas imediações da Rua do Bispo, no Estácio, na Zona Norte do Rio de Janeiro, foi fechado durante toda a manhã supostamente por ordem dos traficantes do Morro do Turano, que estão em luto devido à morte de ‘Sapinho’. Policiais tomaram ruas ao redor do local, mas os comerciantes preferiram continuar fechados durante a tarde de hoje.