Estrela pornô dos EUA vira autora de best-seller

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 6 de outubro de 2004 as 14:40, por: cdb

Ela tem dois guarda-costas, quatro cachorros, implantes de seio poderosos e um livro de quase 600 páginas na lista dos mais vendidos nos Estados Unidos.

Jenna Jameson, de Scottsdale, Arizona, é uma estrela pornô que virou socialite — se bem que se sinta mais à vontade de biquini do que usando um vestido de noite. Sua autobiografia, repleta de malícias, integra há meses a lista do The New York Times dos livros mais vendidos.

“How To Make Love Like a Porn Star: A Cautionary Tale” (como fazer amor como uma estrela pornô), escrita em colaboração com Neil Strauss, é um livro repleto de detalhes explícitos e fotos da autora com os seios nus.

Em entrevista recente, Jameson, 30 anos, revelou: “Já houve mulheres que me disseram que sou ídolo delas. Elas querem ser como eu. Estão vendo uma figura glamourosa, mas não percebem que existem outras facetas minhas, que eu faço mais do que abrir minhas pernas.”

Nascida em Las Vegas, filha de pai policial que virou criminoso e mãe showgirl que morreu quando ela tinha 2 anos, Jameson entrou para o mundo pornô aos 17 anos.

Candidata a stripper na boate Crazy Horse Too, em Las Vegas, a loira voluptuosa ouviu que deveria voltar depois de livrar-se do aparelho nos dentes. Na mesma noite, ela arrancou o metal de seus dentes com um alicate.

Depois de mudar seu nome para Jameson (em homenagem ao uísque dessa marca), a jovem passou de stripper para modelo fotográfica erótica, acabando por tornar-se atriz pornô.

O livro relata uma série de incidentes sórdidos de sua vida, incluindo uma vez em que Jameson foi estuprada, suas desordens alimentares, sua dependência de drogas e vários casos lésbicos ou a três, tanto diante das câmeras quanto longe delas.

Jameson diz que, como deusa do cinema pornô, trabalhava apenas cinco vezes por ano, geralmente com o mesmo parceiro. “Tive sorte por não ter contraído doenças venéreas, apesar de ter trabalhado sem camisinha durante dois anos”, afirma.

Hoje ela diz ser monógama e estar bem casada com Jay Grdina, proprietário de estúdio de filmes adultos e única pessoa com quem faz sexo, na tela ou fora dela. O casal abriu uma produtora de filmes, empresa de marketing e de web hosting.

Ela diz que ama o que faz para ganhar a vida e que está tentando mudar a maneira como o setor pornô é dirigido.

Como muitas atrizes, ela se preocupa com a possibilidade de perder a beleza. “A beleza é o que paga nossas contas. Faço aplicações de Botox e adoro. Fiz um implante de queixo e vou fazer cirurgia de redução mamária”, ela conta.

Enquanto ela e Grdina tentam ter um filho, continuam a produzir filmes pornô e negociam um contrato em Hollywood para a filmagem de sua autobiografia.

“De início, eu queria Kate Hudson para me representar”, diz Jameson, “mas ela não é tão bem dotada quanto eu. Meus fãs já falaram em Pamela Anderson, Jaime Pressley ou até Meryl Streep.”