Estados Unidos divulgam lista com os procurados da Al-Qaeda

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de dezembro de 2001 as 00:43, por: cdb

O governo americano publicou os nomes de quem, segundo Washington, seriam os principais membros da organização extremista Al-Qaeda. A lista inclui pessoas que já constavam da lista dos mais procurados pelo FBI (polícia federal americana) sob suspeita de envolvimento em atividades terroristas. Segundo autoridades do governo dos Estados Unidos, a prisão ou morte das pessoas seria importante para enfraquecer a linha de comando da Al-Qaeda. Além de Bin Laden e seu braço-direito, Ayman al-Zawahri, a lista dá detalhes de outros supostos membros da cúpula da Al-Qaeda.

Muitos detalhes da lista foram mantidos sob sigilo pelas autoridades americanas e alguns dos nomes que constam nela podem ser pseudônimos. Três altos membros da Al-Qaeda teriam morrido durante a ação militar americana no Afeganistão, incluindo o comandante militar Mohammed Atef.

Veja a seguir abaixo as informações sobre alguns dos principais nomes dos supostos membros da Al-Qaeda que ainda estariam vivos e procurados pelas autoridades:

Ayman al-Zawahri

De origem egípcia, acredita-se que ele assessore Bin Laden em assuntos espirituais, além de ser seu médico. Ele também estaria por trás da ideologia que levou à formação da Al-Qaeda e foi o segundo dos cinco nomes que assinaram a famosa fatwa de Bin Laden, em 1998, na qual defende ataques contra alvos civis americanos. Zawahri e Atef eram importantes na Jihad Islâmica do Egito, que acabou se fundindo com a Al-Qaeda há cerca de quatro anos. Al-Zawahri aparece nos vídeos de Bin Laden divulgados desde os atentados de 11 de setembro e sua mulher e filhos teriam morrido durante os ataques americanos dos últimos meses. O guia espiritual de Bin Laden foi indiciado por sua suposta participação nos atentados contra duas embaixadas americanas na África e foi preso por três anos no Egito por envolvimento no assassinato do então presidente Anwar Sadat em 1981. Ele também foi condenado à morte, à revelia, por um tribunal egípcio por sua participação na Jihad Islâmica na década de 90.

Shaihk Saiid
De origem saudita, Saiid é cunhado de Bin Laden e o responsável pela operação financeira da al-Qaeda. Seu primeiro contato com Bin Laden foi no Sudão, no final da década de 90. Autoridades americanas acreditam que ele tenha enviado dinheiro para Mohammed Atta, que teria sido o líder dos seqüestradores nos atentados em Nova York e Washington no dia 11 de setembro.

Abu Zubaydah

Ele é um alto comandante da Al-Qaeda que também poderia estar usando os nomes de Zain al-Abidin Muhammad Husain e Abd al-Hadi al-Wahab e teria nascido na Arábia Saudita, mas com fortes ligações com a Jordânia e áreas da antiga Palestina. Ele foi condenado à morte na Jordânia e suspeita-se que esteja envolvido em muitas operações contra os Estados Unidos organizadas pela Al-Qaeda.

Saif al-Adel

Egípcio, de mais de 30 anos de idade, responsável pela segurança de Bin Laden e acredita-se que também tenha assumido muitas das tarefas da al-Qaeda antes atribuídas a Mohammed Atef. Ele estaria entre os suspeitos de envolvimento nos atentados às embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia em 1998.

Abu Mohammed al-Masri

Outro membro da Al-Qaeda de origem egípcia, ele também estaria usando o nome de Abdullah Ahmed Abdullah e dirigiu campos de treinamento da Al-Qaeda no Afeganistão, incluindo o de al-Farooq, perto de Kandahar. Também poderia estar envolvido nos atentados às embaixadas dos Estados Unidos na África.

Sulaiman Abu Ghaiti

Operou como porta-voz da Al-Qaeda depois de trabalhar como professor de religião. Nasceu no Kuwait, onde viveu até o ano passado. Em outubro, perdeu sua nacionalidade depois de aparecer na TV al-Jazira prometendo reagir contra ataques americanos ao Afeganistão. No vídeo recentemente divulgado pelos Estados Unidos, Bin Laden aparece fazendo bricadeiras com Abu Ghaiti.

Thirwat Salah Shirhata

Também de origem egípcia, Shirhata era o vice de al-Zawahri na Jihad Islâmica do Egito. Shirhata já foi condenado duas