Estado Islâmico se retira de frentes de batalha no noroeste da Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 8 de junho de 2016 as 11:42, por: cdb

O Estado Islâmico havia conseguido sitiar Marea durante um avanço significativo no final do mês passado, retendo milhares de civis no local e levando a coalizão liderada pelos Estados Unidos a enviar armas por via aérea aos rebeldes

Por Redação, com agências internacionais – de Beirute:

Combatentes do Estado Islâmico se retiraram nesta quarta-feira de frentes de batalha ao norte de Aleppo em que lutavam com forças rebeldes da Síria, enquanto estas preparavam um contra-ataque contra o grupo jihadista perto da fronteira com a Turquia, informaram uma fonte da oposição e um grupo de monitoramento.

O recuo súbito de vilarejos nos arredores de Marea, cidade tomada pelos rebeldes, mostra a pressão que o Estado Islâmico vem sofrendo
O recuo súbito de vilarejos nos arredores de Marea, cidade tomada pelos rebeldes, mostra a pressão que o Estado Islâmico vem sofrendo

O recuo súbito de vilarejos nos arredores de Marea, cidade tomada pelos rebeldes, mostra a pressão que o Estado Islâmico vem sofrendo nas ofensivas levadas a cabo por outros inimigos mais ao leste, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

O Estado Islâmico havia conseguido sitiar Marea durante um avanço significativo no final do mês passado, retendo milhares de civis no local e levando a coalizão liderada pelos Estados Unidos a enviar armas por via aérea aos rebeldes, afirmaram fontes destes últimos.

Os rebeldes localizados em Marea romperam o cerco nesta quarta-feira, quando capturaram o vilarejo de Kafr Kalbin, na estrada que liga Marea a Azaz, 20 quilômetros para o noroeste e na divisa turca. O avanço foi precedido por um comunicado dos rebeldes no qual disseram que estão unindo suas fileiras.

– Parece que eles (Estado Islâmico) não conseguem manter várias frentes de batalha ao mesmo tempo. É uma área estratégica, eles estavam prestes a entrar em Azaz – disse o diretor do Observatório, Rami Abdulrahman. A fonte opositora afirmou que o grupo extremista se retirou da área rapidamente e que facções do Exército Livre da Síria ocuparam o vácuo.

Raqqa

Se as tropas governamentais da Síria tomarem Raqqa, isso será “um pouco melhor”, do que o domínio atualmente exercido sobre a cidade por EI, disse nesta terça-feira o porta-voz do departamento de Estado dos EUA, Mark Toner.

Durante o briefing, os jornalistas perguntaram ao oficial norte-americano se os EUA saudariam a liberação de Raqqa pelas tropas de Assad. “Eu diria o mesmo que disse, quando eles estavam libertando Palmira. Isso é um pouco melhor, do que Estado Islâmico, mas não muito”, respondeu Toner.

Toner afirmou não poder confirmar as informações sobre os planos do exército sírio de atacar Raqqa. “Eu somente posso dizer que a coalizão, no seu combate ao Estado Islâmico, apoia a oposição síria, que tenta retomar o controle sobre o território e atacar as artérias de transporte, comunicação e abastecimento de Raqqa”, disse o porta-voz do departamento de Estado.