Estado cria cartão eletrônico com dados de paciente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de dezembro de 2007 as 14:17, por: cdb

Paciente da rede hospitalar do estado terá, a partir de janeiro, todos os dados pessoais, tanto os civis como os médicos, contidos numa tarja magnética de cartão eletrônico, igual aos usados por clientes de agências bancárias. Inicialmente, o sistema será aplicado nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) 24 Horas, os superpostos que atendem casos emergenciais de menor gravidade e que existem atualmente na Vila do João, no Complexo da Maré, em Irajá, ambos na Zona Norte do Rio, em Santa Cruz e, depois de amanhã, em Bangu, na Zona Oeste carioca. Com o tempo, o cartão será usado nas demais unidades de saúde estadual.

No cartão haverá informações sobre o paciente, como nome, filiação, idade, número da identidade, exames feitos, remédios que usa e até cirurgias realizadas, se for o caso. O secretário de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Côrtes, disse que, por meio deste banco de dados, os médicos terão acesso imediato ao histórico do paciente, facilitando o atendimento.

– O modelo tem, inclusive, a vantagem de evitar que uma pessoa retire o mesmo remédio em duas unidades 24 horas – ressaltou Côrtes.

Para receber o cartão, o paciente terá de ser atendido em uma das UPAs. Além das quatro já existentes e a de Bangu que será inaugurada depois de amanhã, o estado planeja inaugurar em janeiro mais duas: uma em Campo Grande e outra em Belford Roxo. Durante o próximo ano, a previsão será implantar mais dez superpostos. O governo do estado está comprando o material para implantar o modelo nas UPAs. O cartão eletrônico será impresso na hora.

No segundo semestre de 2008, todas as unidades da rede estadual de saúde, incluindo os hospitais de emergência, deverão usar o cartão. Até lá, o governo do estado terá informatizado toda a rede. As primeiras unidades a serem informatizadoa serão os institutos de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (HemoRio), de Cardiologia Aloysio de Castro, de Diabetes e Endocrinologia (Iede), a Central de Transplantes e o Laboratório Noel Nutels.