Espanhóis fazem greve de fome por 14 dias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de fevereiro de 2003 as 22:16, por: cdb

Vários membros da Coordenadora ‘contra as guerras’, de Huesca, realizam uma greve de fome de 40 dias, desde o último dia 5 de fevereiro. Os grevistas espanhóis alcançam o 14º dia de protesto contra a invasão anglo-norte-americana ao Iraque, apoiada por José María Aznar. Esta greve faz parte das atividades iniciadas por este coletivo como protesto contra a prevista invasão do Iraque e como rechaço ao apoio espanhol (e europeu) à mesma.

A greve de fome teve início em Huesca, onde os jejuadores participaram em diversos atos contra a guerra. Continuou em Zaragoza, também com participação em atos contra a guerra. E no dia 8 chegaram a Madrid, onde permanecem desde então.

Os membros da coordenadora contra as guerras, que se encontram em seu 14º dia de greve de fome contra o apoio do governo do Estado espanhol a uma intervenção militar por parte dos Estados Unidos, tiveram um dia muito tranqüilo, dedicado, em sua maior parte, a atender a uma grande quantidade de visitas e meios de comunicação.

Entre as visitas, destacam-se as de membros de Comissões Obreiras, Junta Aragonesa, Ecologistas em Ação e Confederação Geral de Trabalhadores, além das habituais de estudantes de vários colégios maiores. Com todos eles projetaram diferentes atuações para desenvolverem nos próximos dias.

Andrés e Alberto foram os dois estudantes da plataforma ‘universitários contra a guerra’ que tomaram a frente, nos jejuns rotativos, e acompanharam durante todo o dia o grupo que participa da greve de fome.

Pela tarde compareceram a uma reunião da Assembléia contra a globalização e contra a guerra, que tem cerca de 50 coletivos, onde também foram planejadas diferentes atividades nas quais pensam participar: 28 de fevereiro, sentada em General Perón; 4 de março, cadeia humana para denunciar e impedir a participação militar do Estado espanhol no massacre do povo iraquiano; 8 de março, incorporação do tema da guerra na manifestação pelo dia da mulher; 9 de março, despedida em Barajas (aeroporto) dos companheiros que vão como escudos humanos ao Iraque.