Espaço sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de outubro de 2012 as 09:41, por: cdb

O enfrentamento à violência contra  os jovens negros será foco principal dos  debates nos eventos para comemorar o Dia da Consciência Negra

 24/10/2012

Da redação

 

FGTS por celular 

As centrais sindicais firmaram termo  de cooperação técnica com a Caixa  Econômica Federal (CEF) para divulgar  novos canais de consulta às contas  vinculadas ao Fundo de Garantia do  Tempo de Serviço (FGTS). O serviço  é gratuito e possibilita ao trabalhador  receber informação atualizada de  saldo, depósitos e saques do FGTS no  celular, através de mensagens SMS,  além de realizar consulta do extrato  pela internet. Para ter acesso ao extrato  na internet, basta cadastrar uma senha  no endereço www.fgts.gov.br ou  www.caixa.gov.br/fgts. No site também é possível fazer adesão ao serviço  de mensagem pelo celular em substituição  ao recebimento bimestral do extrato  emitido em papel. A adesão aos novos serviços é facultativa e os trabalhadores  que quiserem permanecer no modelo  anterior continuarão recebendo o extrato  bimestral do FGTS em endereço  residencial cadastrado, que pode ser  atualizado pela internet.         

CUT debate violência 

O enfrentamento à violência contra  os jovens negros será foco principal dos  debates nos eventos programados pela  CUT São Paulo e pelos movimentos sociais  para comemorar o Dia da Consciência  Negra dia 20 de novembro, segundo  Rosana Aparecida da Silva, secretária de Combate ao Racismo da CUT-SP.  Em reunião dia 18 de outubro, na sede da CUT-SP, representantes de várias  entidades do movimento negro e de sindicatos  filiados à Central apresentaram e discutiram propostas de atividades  políticas e culturais, e a necessidade de refletir e reivindicar medidas de combate  ao crescente extermínio da juventude  negra foi uma preocupação apontada  por todos os participantes. “Não há nenhuma  medida contra a violência que  atinge a população negra. O movimento  negro tem feito várias ações para tentar  mudar essa situação, mas não tivemos  nenhuma resposta da Polícia Militar ou  do Ministério Público Estadual paulista”, alertou a dirigente cutista.                                   

Protesto de médicos de São Paulo 

Os médicos de São Paulo suspenderam, dia 18 de outubro, o atendimento  eletivo a todas as especialidades de  dez operadoras de saúde, mantendo  apenas os atendimentos de urgência e  emergência. Entre os dias 11 e 17 de outubro, os médicos já haviam paralisado os atendimentos aos pacientes desses planos, mas de forma escalonada. A categoria aproveitou o Dia do Médico para protestar contra as operadoras.  Não foram atendidos clientes dos planos Green Line, Intermédica, Itálica, Metrópole, Prevent Sênior, Santa Amália, São Cristóvão, Seisa, Trasmontano  e Universal. Os médicos reivindicam melhor remuneração por consulta. Segundo o presidente da Associação Paulista de Medicina, Florisval Meinão, é  inaceitável o desrespeito das operadoras  com médicos e clientes. “Os planos aumentam  as mensalidades todos os anos  acima do IPCA e querem oferecer aos  médicos um quinto da inflação”, denuncia  Meinão.                   

Tabela de categorias 

Desde que o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) solicitou às entidades  sindicais que apresentem nova tabela  de categorias profissionais, centrais,  confederações e sindicatos estão se reunindo  para debater o tema. Nos dias 16 e 17, a Nova Central e sindicatos filiados  promoveram seminário no auditório da  Confederação Nacional dos Trabalhadores  na Indústria (CNTI), em Brasília,  para orientar as entidades quanto à nova  tabela. No Seminário, foi elaborado documento a ser encaminhado ao MTE,  que servirá de referência no reconhecimento  de novas entidades.                         

FGTS deve ser integral 

A Subseção I, especializada em Dissídios  Individuais (SDI-1), do Tribunal  Superior do Trabalho considerou inválida  cláusula pactuada em norma coletiva  que reduz de 40% para 20% a multa  sobre o FGTS em rescisão contratual de  empregado com empresa prestadora de  serviços terceirizados. O relator, ministro João Batista Brito Pereira, observou  que cláusula desta natureza é invalida  “na medida em que vincula terceiros  que não participaram da negociação  coletiva”. Ele explicou que tanto o órgão gestor do FGTS quanto o novo empregador são atingidos pelos efeitos da cláusula. A invalidade da cláusula impede o levantamento de qualquer valor  do FGTS pelo empregado dispensado da  antecessora e imediatamente admitido  por empresa sucessora, sem descontinuidade  na prestação de serviço.                     

Greve geral paralisa a Grécia

A quinta greve geral de 2012 paralisou a Grécia, dia 18. A greve, em protesto pelo novo pacote econômico negociado pelo governo com os credores externos,  foi convocada pelos principais sindicatos  do país e afetou o transporte aéreo,  marítimo, ferroviário e urbano.  

Espaço sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de setembro de 2012 as 08:43, por: cdb

Apesar da volta ao trabalho, a mobilização dos servidores públicos federais deve continuar

 05/09/2012

Da redação    

  

Mobilização dos servidores

Apesar da volta ao trabalho, a mobilização dos servidores públicos federais deve continuar. No 5 de setembro, a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) e suas filiadas participaram de um Dia Nacional de Lutas em defesa dos trabalhadores, convocado pela CUT, pautando a luta pelo atendimento das reivindicações que o governo não atendeu com a finalização da greve.      

Educação e direitos

No Dia Nacional de Lutas, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e servidores públicos se uniram pela melhoria do ensino público. A marcha em Brasília, no dia 5 de setembro, foi para levar às ruas da capital federal as bandeiras da classe trabalhadora: 10% do PIB para a Educação, aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE), redução da jornada de trabalho, fim do fator previdenciário, contra a precarização do trabalho, pela ratificação da Convenção 158 da OIT, pela regulamentação da Convenção 151 da OIT, e a Agenda do Trabalho Decente.   

Trabalhadores endividados

Dois em cada três trabalhadores brasileiros têm algum empréstimo de pelo menos R$ 1 mil em bancos, financeiras ou no cartão de crédito. Dados do Banco Central revelam que 60,9 milhões de pessoas têm operações de crédito ativas em instituições financeiras no país. O retrato detalhado do universo de pessoas que usam o crédito no Brasil é o primeiro resultado da ampliação do chamado Sistema de Informações de Crédito (SCR). Desde janeiro, os bancos são obrigados a detalhar operações individuais ou conjuntas que somem mais de R$ 1 mil. Antes, só empréstimos acima de R$ 5 mil eram declarados.           

Comerciários fazem passeata

No dia 31 de agosto, o Sindicato dos Comerciários de São Paulo fez passeata por “40 horas já” na rua 25 de Março, um dos principais pontos comerciais da capital. A ação visou motivar a categoria e informar os passantes sobre a importância da redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, sem redução de salário. O comerciário vive situação mais precária: trabalha de 52 a 56 horas semanais.  

Direito de greve ameaçado

Nos dias 10 e 11 de setembro pode ir a votação na Comissão de Constituição e Justiça do Senado o Projeto de Lei nº 710/2011, do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) que “regulamenta” o direito de greve dos servidores públicos. O projeto estabelece, entre outros, que devam permanecer trabalhando de 50% a 80% dos servidores em greve. Considera como efeitos imediatos da greve a cessação do serviço e a cessação do pagamento dos vencimentos. Somente trinta por cento dos dias parados podem ser objeto de negociação para eventual reposição. O sindicato deve comunicar a intenção de fazer greve com trinta dias de antecedência e avisar a população com quinze dias de antecedência. Há ainda outros artigos restritivos.               

Químicos reivindicam 10%

O Sindiquímicos junto aos dirigentes e lideranças sindicais, que representam os mais de 115 mil trabalhadores e trabalhadoras, do setor industrial químico, no estado de São Paulo, que são representados pela Fequimfar, entidade filiada à Força Sindical, referendou no Seminário de Negociação Coletiva a pré-pauta de reivindicações da categoria para a Campanha Salarial e Social 2012/2013. As principais reivindicações da pré-pauta são: Piso salarial de R$1.200,00; Reajuste de 10% nos demais salários; PLR no valor de 1 piso salarial (R$ 1.200,00); Redução da Jornada de Trabalho para 40 horas semanais, sem redução de salário.  

Práticas antissindicais da Vale

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Petroquímicas do Estado do Paraná (Sindiquímica-PR) denunciaram, em Brasília, dia 30 de agosto, à Organização Internacional do Trabalho (OIT) práticas antissindicais cometidas pela multinacional Ultrafértil S.A., empresa que integra a Vale Fertilizantes, da transnacional Vale. A primeira denúncia contra as práticas ilegais da empresa foi apresentada ao poder público em 2006, mas até hoje os trabalhadores não têm garantido o livre exercício da organização, liberdade e autonomia sindical.           

Violações da Vale

Entre os casos de violação da transnacional está a intimidação dos trabalhadores, demissões como penalidade pela participação nas ações sindicais da categoria, impedimento da entrada de dirigentes sindicais no interior da fábrica para recolher informações sobre as condições de trabalho e discriminação contra diretores sindicais nos processos de promoção da empresa. 

Espaço sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de agosto de 2012 as 09:08, por: cdb

Embora a General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) tenha retomado as atividades, as ameaças ao emprego de 1.500 trabalhadores prossegue

01/08/2012

da Redação

 

GM fechou postos de trabalho

A General Motors (GM) fechou 1.189 postos de trabalho, entre julho de 2011 e junho de 2012, no Brasil. O estudo foi realizado pelo Dieese – Subseção do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, com base no Caged (Cadastro Geral de Emprego e Desemprego) do Ministério do Trabalho.

 

Contradição da GM

Os números contradizem a própria General Motors, que por várias já afirmou que estaria mantendo o nível de emprego no país. Na unidade de São José dos Campos, foram fechados nesse período 1.044 postos de trabalho. No estudo, ainda não estão computadas as demissões de julho, quando 356 trabalhadores aderiram ao PDV (Programa de Demissão Voluntária). Na planta de São Caetano, o déficit foi de 349 postos de trabalho. E em Gravataí, a única com saldo positivo, foi criada 204 postos. No próximo período, São José dos Campos corre o risco de perder mais 2 mil empregos, elevando para até 3 mil o déficit de postos no país.

 

GM nega investimentos

Embora a General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) tenha retomado as atividades, as ameaças ao emprego de 1.500 trabalhadores prossegue. Houve ameaça de locaute, ou seja, paralisação por parte da empresa. Em reunião com o sindicato, a direção da GM não sinaliza fazer investimentos na região. A montadora já realizou dois Programas de Demissão Voluntária na fábrica local. De acordo com o Sindicato de Metalúrgicos de São José dos Campos, ao todo foram 356 demissões em apenas um mês.

 

Maior tributação

O sindicato exige que o governo intervenha e não permita as demissões, já que GM vem se beneficiando com a política de isenções do governo. Estima- se que, desde o início da crise, as montadoras no Brasil tenham deixado de pagar R$ 26 bilhões em impostos. O ataque é parte de um programa global de reestruturação iniciado durante a crise mundial. O governo Oba ma assumiu as ações majoritárias da empresa e foram fechados 18 complexos nos EUA, com 37 mil demitidos. A retomada da produção e do crescimento da transnacional veio com maior intensificação do trabalho.

 

Manutenção de emprego

A presidente Dilma Rousseff disse dia 27 que os incentivos fiscais que o governo concede a empresas devem ter, como contrapartida, a manutenção do emprego dos funcionários. A presidente falou sobre o tema quando perguntada por jornalista, em coletiva à imprensa, sobre as expectativas do governo com relação à redução do IPI. “Nós damos incentivos fiscais e financeiros e queremos, como retorno para o Brasil, a manutenção de emprego. Fazemos toda uma política anti-cíclica pra garantir empregos. Isso vale não só para as montadoras, mas para todos que receberem incentivos. Têm que saber que fazemos isso com um único objetivo no mundo: garantir o emprego dos brasileiros”, afirmou.

 

Ato dos servidores federais

Servidores de todo o Brasil realizaram, dia 31, um Dia Nacional de Luta, uma grande vigília pela apresentação de respostas concretas do governo às principais reivindicações da categoria. A data foi o prazo que a Secretaria de Relações do Trabalho (SRT) do Ministério do Planejamento apontou como provável para apresentar respostas do governo à pauta dos servidores.

 

Caminhoneiros em greve

O Movimento União Brasil Caminhoneiro promove desde o dia 25 de julho uma greve nacional da categoria. Os trabalhadores protestam contra regulamentos da Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) que, segundo eles, prejudicam os caminhoneiros. De acordo com informações do movimento, em diversos estados vêm ocorrendo paralisações e protestos, como bloqueio de rodovias. Eles criticam o valor do frete. O outro alvo dos protestos é o cartão-frete instituído pela ANTT, que proíbe os caminhoneiros de receber pagamentos em dinheiro ou cheque, sendo obrigatório o depósito em conta bancária ou em créditos a serem inseridos em um cartão eletrônico.

 

Trabalhadores da Hering

Trabalhadores da Hering de Blumenau (SC), em todos os turnos, decidiram por unanimidade entrar em estado de greve, podendo cruzar os braços nos próximos dias. Os trabalhadores exigem aumento real de salário, maior PPR, a aceitação de atestados médicos, o fim do trabalho aos sábados e melhores condições de trabalho.

Espaço sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 20 de junho de 2012 as 08:54, por: cdb

Na Cúpula dos Povos, lideranças se reuniram para elaborar documento com alternativas para um novo modelo de desenvolvimento, com justiça social e ambiental, que será entregue aos chefes de Estado 

20/06/2012

da Redação


Depressão e ansiedade

Os transtornos mentais respondem pela terceira causa de afastamento do trabalho no Brasil, de acordo com levantamentos realizados pela Previdência Social a partir de 2008. Essas doenças perdem apenas para as do sistema orteomuscular, caso da Lesão por Esforço Repetitivo (LER), e as lesões traumáticas. Muitas vezes as patologias psiquiátricas se desenvolvem a partir do que se chama de estresse ocupacional, ocasionado por cobranças, competitividade, etc. Essa situação leva trabalhadores a depressão, ansiedade, síndrome de Burnout e drogas, de acordo com o Grupo de Saúde Mental e Psiquiatria do Trabalho do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

 

Greve geral da saúde em MG

Os trabalhadores da saúde aprovaram a continuidade da greve geral, no dia 14, no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Entre outros pontos, reivindicam reajuste salarial igual para todos, revisão do plano de carreira, melhores condições de trabalho, investimento na saúde de 12% do orçamento conforme determina a Constituição e redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais para todos sem redução de salário.

 

Intransigência de Anastasia

Beatriz Cerqueira, nova presidenta da CUT-MG, ressaltou em ato com os trabalhadores da saúde, que é preciso ter cuidado para negociar com o governo Anastasia (PSDB). “Tenho certeza de que vocês farão um bom trabalho, mas é bom lembrar que no ano passado, o Sind-UTE/MG propôs o encerramento de uma greve de 112 dias, porque tínhamos um documento assinado por um secretário de Estado. O governo não cumpriu o compromisso”, disse.

 

Globo é obrigada a contratar

Até fevereiro do ano que vem, a Rede Globo, no Rio de Janeiro, está obrigada a contratar 150 jornalistas e radialistas para suas redações. Isso, junto a uma multa de R$ 1 milhão, é o resultado de um acordo firmado entre a empresa e o Ministério Público no fim de 2011, depois de uma investigação que identificou diversas irregularidades trabalhistas no maior veículo de comunicação do país, entre elas jornadas de trabalho abusivas de até 19 horas.

 

UGT e representantes dos bancos

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) promoveu dia 15, encontro, na sua sede em São Paulo, com representantes da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban). A reunião teve como objetivo ampliar o diálogo entre os sindicalistas ugetistas e os representantes dos bancos, uma vez que a UGT é a segunda maior Central em representatividade de bancários. O presidente da UGT em exercício, Canindé Pegado, lembrou que é fundamental para a luta dos trabalhadores das instituições bancárias que as entidades que os representam tenham um relacionamento regular com as entidades patronais.

 

Juntos na Rio+20

Na Cúpula dos Povos, lideranças se reuniram dia 18 para elaborar documento com alternativas para um novo modelo de desenvolvimento, com justiça social e ambiental, que será entregue aos chefes de Estado. “Aqui a gente quer debater direitos”, disse Fátima Melo, uma das organizadoras do Comitê Facilitador da Cúpula dos Povos, dia 16, na plenária Defesa dos Bens Comuns Contra a Mercantilização. Mais de 350 sindicalistas e representantes de movimentos sindicais e sociais do Brasil e de vários países participam de uma série de assembleias dos movimentos sindicais e sociais para discutir um documento com propostas alternativas.

 

Sindicato global

A fusão das federações internaionais Fitim – Federação Internacional dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Icem – Federação Internacional dos Sindicatos do Ramo Químico, da Energia, da Mineração e Indústrias Diversas e FITTVC – Federação Internacional dos Trabalhadores nas Indústrias Têxteis, Vestuário e Couro formou um único sindicato global com o nome de IndustriALL – onde “ALL” simboliza a união de todos. O Congresso da Fusão ocorreu de 18 a 20 de junho, em Copenhagen, Dinamarca. A Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT esteve representada no Congresso de Fusão dos Ramos. O Congresso reúne 1300 delegados de mais de 150 países, representando 50 milhões de trabalhadores e trabalhadoras nos setores metalúrgico, químico e têxtil.

Espaço sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de maio de 2012 as 09:29, por: cdb

A exposição a produtos químicos e a falta de equipamentos de segurança adequados estão entre os causadores de mais de 19 tipos de tumores malignos

09/05/2012

 

da Redação

 

Greve de professores na Bahia

Os trabalhadores em educação da rede estadual da Bahia decidiram, dia 7 de maio, continuar a greve iniciada em 11 de abril e manter a ocupação na Assembleia Legislativa, iniciada em 18 de abril. A greve da categoria – em seu 27º dia – não tem perspectiva de acabar, já que não há nenhuma negociação agendada com o governo para solucionar o impasse que mantém a paralisação. Os professores reivindicam 22,22% de reajuste, conforme acordo firmado em novembro de 2011 com o governo do Estado, que agora oferece apenas 6,5% de aumento, sob alegação de que não tem como pagar o percentual pedido.

 

Banir o amianto no Brasil

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) promoveu, no Sindicato dos Bancários de Osasco e Região, dia 4, o Seminário Nacional – Doenças e Mortes no Trabalho pelo Banimento do Amianto no Brasil e no Mundo. Há décadas trabalhadores são vítimas do amianto no Brasil. O país é um dos maiores na produção, consumo e exportação da fibra mineral, utilizada principalmente na fabricação de produtos industriais como telhas, caixas d’água, pastilhas e lonas para freios, entre outros.

 

Metalúrgicos de Caxias

Os metalúrgicos de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, aprovaram dia 5, a pauta de reivindicações do dissídio 2012. Por unanimidade, os trabalhadores que participaram da assembleia realizada na sede da entidade decidiram reivindicar reajuste salarial de 10% e cláusulas sociais como a redução da jornada de trabalho, transporte subsidiado, estabilidade em caso de acidente de trabalho, equiparação salarial entre homens e mulheres. Uma das bandeiras a ser defendidas na campanha salarial está a elevação do piso da categoria para R$ 1 mil. Hoje o valor pago é de R$ 684,20 nas empresas com até 50 empregados e de R$ 776,60 nas empresas com mais de 50 trabalhadores. A pauta de reivindicações será apresentada ao Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico (Simecs), no dia 23.

 

Juros dos cartões de crédito

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) lança campanha nacional contra os altos juros dos cartões de crédito. A campanha tem inicio dia 9, com ato que deve reunir dois mil manifestantes em frente à sede da Visa, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 3.729, Itaim Bibi, São Paulo. A UGT quer alertar a sociedade para a cobrança de juros exorbitantes e motivar o governo a agir para que a queda dos juros atinja também os cartões. A Associação Nacional dos Executivos de Finança (Anefac) aponta que os cartões adotam taxas médias mensais de 10,69%, ou 238,3% ao ano. Há casos em que a cobrança supera 400% ao ano.

 

Centrais negociam isenção

Os dirigentes das centrais sindicais estiveram novamente em Brasília, dia 8 de maio, para reunião com integrantes do governo a fim de debater a isenção do imposto de renda na Participação nos Lucros e/ou Resultados (PLR). Os sindicalistas discutiram o assunto com o novo ministro do Trabalho e Emprego, Brizola Neto, e o secretário-geral da presidência da República, Gilberto Carvalho.

 

Aumento de 14%

No dia 4 de maio, os trabalhadores na obra de uma Usina da Vale, em Vitória (ES), voltaram ao trabalho após os consórcios, que prestam serviços à empresa, aceitarem suas reivindicações. Eles conquistaram aumento de 14% nos salários, elevação do cartão alimentação para R$ 400,00 e fornecimento de passagens aéreas para quem mora em local distante, acima de 500 km da obra.

 

Câncer relacionado ao trabalho

Um levantamento do Instituto Nacional do Câncer (Inca) aponta que dos 500 mil casos de câncer registrados no país todos os anos, ao menos 25 mil têm relação com o trabalho exercido pelo paciente. A exposição a produtos químicos e a falta de equipamentos de segurança adequados estão entre os causadores de mais de 19 tipos de tumores malignos. Os dados constam no documento Diretrizes para vigilância do câncer relacionado ao trabalho, lançado esta semana. O índice de 4% dos casos é baseado em pesquisas europeias, sendo que no Brasil, e outros países em desenvolvimento, a proporção pode ser ainda maior. Entre as profissões mais expostas ao câncer estão a de cabeleireiro, farmacêutico, químico, enfermeiro e operários da construção civil. Também os trabalhadores das indústrias petroquímica, siderúrgica e metalúrgica.

Espaço Sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 20 de junho de 2011 as 19:39, por: cdb

Campanhas salariais em andamento

 

20/06/2011

da reddação

 

Movimentos grevistas e os atuais ataques contra os trabalhadores

Campanhas salariais em andamento, bem como as agendadas para o segundo semestre, acontecem em um contexto no qual as conquistas do movimento sindical no último período esbarram no discurso do retorno da inflação e da desaceleração da economia. Informações do jornal Valor Econômico demonstram que o rendimento médio real dos trabalhadores cresceu 1,9% em abril deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2010. Porém, na comparação anual, a alta chegou a ser de 6,5% reais em outubro de 2010. “A combinação virtuosa entre inflação baixa e a concentração de negociações dos sindicatos mais fortes e organizados, entre setembro e outubro, foi embora – o salário habitualmente recebido pelos trabalhadores em abril foi 2,8% menor, em termos reais, que o embolsado em outubro”, descreve a reportagem do jornal. Ainda de acordo com o texto, a inflação, tema de disputa das negociações salariais, acumulara 4,6% nos 12 meses terminados em setembro de 2010, e agora já chegou a 6,4% nos 12 meses terminados em maio de 2011 (com Valor Econômico).

 

Trabalhadores de São Paulo unidos em ato

Pela melhoria dos serviços públicos e valorização de seus segmentos, trabalhadores/as do Sintaema, metroviários, eletricitários, ferroviários da Central do Brasil, das indústrias de Santos (Sintius) e da Federação Nacional dos Trabalhadores em Energia, Água e Meio-ambiente (Fenatema) fizeram, no dia 15, ato público frente à Secretaria da Fazenda de São Paulo. Panfletaram em estações do metrô. A Carta Aberta, distribuída pelo movimento, abordou a defasagem de energia em muitos pontos da capital, criticou a terceirização e privatização dos serviços públicos. O ato teve a presença de representantes de diferentes entidades sindicais.

Funcionários da Embrapa contra demissões injustificadas

Trabalhadores das unidades da Embrapa decidiram parar por três dias, iniciando as atividades com piquetes no dia 20, em nome do fim das punições e demissões arbitrárias. Há mais de um mês, a categoria reivindica a inclusão de uma cláusula garantindo o fim das demissões sem processo administrativo no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT 2011-2013). Pelo menos cinco trabalhadores foram demitidos entre o final de 2010 e início deste ano. Além do fim das demissões, desde a data-base iniciada no dia Primeiro de Maio, a categoria luta por ganho real, reajuste dos benefícios econômicos, isonomia de benefícios e revisão do Plano de Carreiras da Embrapa (PCE).

 

Servidores do MDA: precarização impede o trabalho pela Reforma Agrária

Submetidos aos salários mais baixos do serviço público e a uma estrutura remuneratória que coloca um grau de 78% de discrepância entre trabalhadores, a Associação de Servidores do MDA cruzou os braços no dia 16. “Quando aqui chegamos em 2009 nem mesas e cadeiras existiam para todos os servidores. Alguns ficavam em pé enquanto outros trabalhavam”, denuncia documento da Associação. Na leitura da categoria, as más condições de estrutura do Ministério, o quadro escasso de servidores, bem como o pouco poder decisório dos trabalhadores concursados, são um entrave também para a Reforma Agrária. Na lista de reivindicações, está uma Audiência Pública com o Ministro do MDA, Afonso Florence.

 

Mineirão, palco de espetáculos e de lutas 

Melhores salários e condições de trabalho na obra do estádio Mineirão. Coordenada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção de BH e Região, a greve no canteiro de obras sinaliza uma tendência para os próximos anos, marcados por megaeventos. Em BH, a maioria dos trabalhadores parou suas atividades. Apenas cerca de 30 funcionários estariam dentro da obra, em uma “operação-tartaruga”. Os operários não contam sequer com banheiros e água, fato negado pelo consórcio da obra, a Minas Arena. No dia 20, os operários aceitaram a proposta patronal que prevê reajuste de 4%, apresentação de um plano de saúde para os trabalhadores até o final de junho, pagamento de adicional de hora extra de 100%, estabilidade para a comissão de representantes dos trabalhadores, entre outros direitos básicos.

 

Trabalhadores da Bosch em greve

Após as mobilizações na Volkswagen, os trabalhadores da multinacional Bosch, em Curitiba (PR), continuam em greve, desde o dia 17.  A decisão foi adotada na manhã de segunda-feira (20), quando a empresa não apresentou proposta de aumento do valor da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Na pauta, eles querem que o PLR passe de R$ 4.8 mil para R$ 9 mil – condicionados ao aumento de 100% das metas estipuladas. A Bosch possui mais três fábricas no Brasil: duas em Campinas (SP) e uma em Aratu (BA). Em 2010, os lucros da Bosch no mundo chegaram a R$ 118 bilhões (com Radio Agência NP).

 

Saúde de vigílias a greves 

Trabalhadoras e trabalhadores do Sindsaúde-PR montaram vigília frente à Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) do dia 13 a 17 de junho. O objetivo: pressionar o governo estadual para que a categoria tenha direito ao Plano de Cargos e Carreira. O principal ponto do plano refere-se à jornada de trabalho de 30 horas. A diminuição da jornada é essencial para os trabalhadores da saúde, expostos nos hospitais a condições de insalubridade e risco de contágio biológico e químico. Os trabalhadores da saúde privada fizeram greve em Curitiba há poucas semanas. Em São Paulo, os servidores estaduais da saúde paralisaram por dois dias.

 

Para os professores de MG, a luta continua

Cerca de 5 mil trabalhadores/as em educação decidiram, em assembleia, manter por tempo indeterminado a greve iniciada no dia 08. A categoria aprovou um calendário que prevê mobilizações em todas as regiões do estado. Os/as trabalhadores/as em educação cobram do governo estadual o cumprimento da lei federal que regulamenta o Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN), que hoje é de R$ 1.597,87, para 24 horas semanais. Por outro lado, o governo de MG paga hoje o piso de R$ 369,00. “O Estado investiu apenas 14% em Educação no primeiro trimestre e em 2010 os recursos disponibilizados ao setor foram de 20%, dos 25% que o Governo é obrigado a investir. Infelizmente é com essa precariedade de insumos que convivemos em Minas Gerais”, afirma Beatriz Cerqueira, coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, sindicato à frente do movimento grevista.

Comments are closed.