ES: Colatina interrompe captação de água no Rio Doce

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 24 de novembro de 2015 as 13:20, por: cdb

Por Redação, com agências – de Brasília:

Voltou a ser interrompida a captação de água no Rio Doce, em Colatina, na região Noroeste do Espírito Santo, por volta das 22h de segunda-feira. Uma análise realizada por engenheiros do Serviço de Meio Ambiente e Saneamento Ambiental (Sanear) encontrou uma maior turbidez da água após a chuva.

De acordo com a prefeitura, os engenheiros e técnicos do Sanear realizaram análises constantes do material
De acordo com a prefeitura, os engenheiros e técnicos do Sanear realizaram análises constantes do material

– Estamos realizando análises constantemente da água do Rio Doce. Devido à chuva, a turbidez ficou mais complexa, gerou uma instabilidade da turbidez. Nosso procedimento é o seguinte: a gente trata um pouco da água, faz o teste e analisa se é possível continuar o tratamento. Na segunda, a água parou no processo da análise – disse a assessoria de imprensa de Colatina.

De acordo com a prefeitura, os engenheiros e técnicos do Sanear realizaram análises constantes do material e apenas prosseguiram com o abastecimento quando houve certeza da qualidade da água. “Nesta terça-feira nós vamos fazer outras análises para ver se é possível liberar, estamos esperando também algumas análises de laboratórios particulares”, concluiu.

Desde a aproximação da enxurrada de lama vinda de Mariana, em Minas Gerais, o abastecimento de água foi suspenso no município. A captação de água pelo Rio Doce havia retomado após o resultado positivo da análise feita pelo laboratório Tommasi.

Novas medidas

ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e o presidente da Agência Nacional de Águas, Vicente de Andreu Guilho, visitaram o município de Linhares para analisar as consequências da passagem dos rejeitos de lama no Rio Doce e litoral norte do Estado. A lama atingiu a foz do rio no último domingo e, até o momento, avançou cerca de 10 quilômetros mar a dentro.  Acompanhados do governador Paulo Hartung, Izabella Teixeira e Vicente Guilho sobrevoaram e visitaram a região, realizaram um encontro com técnicos e lideranças do município e, em seguida, realizaram uma entrevista coletiva à imprensa anunciando novas medidas.

O governador Paulo Hartung ressaltou que a presença da ministra no Estado reafirma o compromisso da União de atuar de forma articulada no episódio. O governador disse ainda que a reunião de trabalho foi importante, pois contou com a presença de representantes da sociedade civil organizadaparticipação voluntária da Samarco, empresa responsável pelo acidente ambiental.
– Primeiro temos que agradecer ao Governo Federal que tem atendido nossos pedidos. Técnicos do IBAMA estão atuando, a Marinha enviou um navio com extrema tecnologia que ao Estado. Outra questão importante foi que solicitei e fui sinalizado positivamente  sobre acontinuidade do monitoramento no Rio Doce e no mar mesmo após passagem da lama. O monitoramento continuará pelo prazo de 90 dias – disse Hartung.
O governador capixaba disse ainda que os trabalhos emergenciais continuam e é necessário avançar na estruturação de projetos e medidas para recuperação da Bacia do Rio Doce. “Temos muitas coisas para fazer. Estamos recebendo apoio integral da ministra e sua equipe. Sabemos que o desafio é grande e devemos  aproveitar esse cenário para recuperar por completo a Bacia do Docetransformar essa iniciativa em um exemplo para o restante do país“, concluiu Hartung.
A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, ressaltou a atuação conjunta dos Governos Federal,Estadual e Municipal, comentou que uma equipe de especialistas está elaborando estudos e projeções sobre o destino da lama no mar. Izabella Teixeira ressaltou que a lama não terminou de cruzar o RioDoce e que ainda não é possível estimar um prazo para o término desta travessia. Para a ministracenário atual requer continuidade dos atendimentos emergenciais e informar a população sobre os acontecimentos.
– Vamos criar um sistema de monitoramento  e torná-lo disponível  no site da Agência Nacional deÁguas para as autoridades e  população em geral acompanharem a trajetória da lama no Oceano Atlântico. É uma medida importante para por fim na contra informação. Além disso, vamos levar as informações coletadas no Estado hoje para o Comitê de Gestão e Avaliação de Respostas do Rio Doce.Temos que atuar de forma articulada e com apoio da sociedade e estudiosos para identificarmos os melhores projetos e ações. Não podemos nos perder por ações pontuais. Queremos estruturar um plano de atuação para recuperação de todo desastre e atendimento das comunidades e pessoas diretamente impactadas – disse a ministra.
Regência  
Em Regência, Linhares, a ministra Izabella Teixeira visitou, ao lado do governador Paulo Hartung, afoz da Barra Norte do Rio Doce. Também estava presente o secretário de Estado do Meio Ambiente, Rodrigo Júdice. No local, eles visitaram as obras para abertura da Barra Norte, que tiveram início no último sábado visando facilitar que a passagem da lama para o mar.
Anteriormente, a tentativa era a abertura da Barra Sul. A ministra Izabella também se atualizou quanto às outras ações que estão em andamento, como as barreiras flutuantes, que foram colocadas para proteger às margens e em função da previsão de chegada de água com maior quantidade de sedimentos.
Desde o dia 7 deste mês, as equipes do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos(Iema) e da Agência Estadual de Recursos Hídricos (AGERH) estão mobilizadas de forma multidisciplinar para atuar em várias frentes visando o enfrentamento dos impactos previstos em função da lama. A Samarco está realizando a abertura da foz Norte do Rio Doce, para que ela se alargue e a lama de rejeitos dilua no mar.
O Iema está elaborando um Termo de Referência (TR) para o monitoramento da região do litoral capixaba, que será apresentado para a Marinha e entregue à Samarco, que irá executá-lo. A malha mostral irá abranger de São Mateus até a foz do Rio Piraque-Açú, em Aracruz, local onde existem duas Unidades de Conservação de gestão federal, o Revis Santa Cruz e a APA Costa das Algas. Taismedidas de preservação tanto do Rio Doce quanto do mar estão sendo realizadas pela Samarco em atendimento às exigências do Iema e da ação cautelar movida pelo Governo do Estado contra a empresa.
Emergência
Pelo fato da lama de rejeitos vinda das barragens rompidas da Samarco, em Minas Gerais, ter atingido municípios capixabas, causando impacto no recurso hídrico, no solo, fauna, flora, além de ter tornado a água imprópria para consumo humano e dessedentação animal, com danos também a atividades econômicas, o Governo do Estado do Espírito Santo decretou na segunda-feir Situação deEmergência Ambiental na Bacia Hidrográfia do Rio Doce.
A portaria foi publicada hoje pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos(Seama), pelo Iema e pela AGERH.
Também foi publicada uma segunda portaria criando o Grupo Técnico de Enfrentamento da CriseAmbiental no Rio Doce, com servidores públicos do Iema e da AGERH para acompanhamento sistemático do problema, com a realização de fiscalizações, apuração dos danos e propostas de medidas protetivas.