ES: Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa começa em novembro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de outubro de 2009 as 11:23, por: cdb
Atualizado em 14/11/16 19:40

Começa no dia 1° de novembro a 95ª Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa, executada pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag). A campanha segue até o dia 30 de novembro e traz algumas mudanças nos procedimentos de comprovação.

Nas etapas anteriores, o pecuarista precisava apresentar apenas a nota fiscal da compra da vacina nos Escritórios Locais e Postos de Atendimento do Idaf. No decorrer da 95ª Campanha, além da nota fiscal, o produtor precisa entregar ao Idaf a Ficha de Classificação de Bovinos Vacinados que deve ser preenchida com os dados cadastrais do rebanho bovino, contemplando o número de animais, sexo e faixa etária.

A Ficha será fornecida ao pecuarista pela loja revendedora de vacina no ato da compra, e também estará disponibilizada no site do Idaf no site. Os dados deverão ser fornecidos ao Instituto entre os dias 01 de novembro e 10 de dezembro.

O objetivo da mudança é atualizar o cadastro pecuário do Espírito Santo e possibilitar o funcionamento adequado do novo sistema online de emissão de Guia de Trânsito Animal (GTA), que começa a funcionar, a partir de terça-feira. A GTA é o documento obrigatório que autoriza o trânsito intra e interestadual de animais destinados à cria, engorda, reprodução, abate e participação em eventos.

No novo sistema serão feitos, de forma totalmente informatizada, os lançamentos relacionados ao controle sanitário como as vacinações contra a febre aftosa e brucelose, e também o registro do trânsito dos animais, possibilitando um atendimento mais rápido ao produtor rural.

De acordo com diretor presidente do Idaf, Antonio Francisco Possatti, a emissão da GTA eletrônica e a atualização cadastral da pecuária do Estado irão proporcionar uma maior eficiência do serviço de defesa sanitária e da rastreabilidade do rebanho, atendendo às normas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para o comércio internacional.

– Com essas ações estamos dando mais um passo para, no futuro próximo, conquistarmos o status de zona livre de febre aftosa sem vacinação – afirma ele.

Possatti destaca ainda a importância da atuação dos produtores e das entidades relacionadas à agropecuária, para que nesta nova etapa, sejam alcançados os altos índices de cobertura vacinal das últimas campanhas, que se mantiveram em torno de 99%.