Erupção vulcânica da Islândia se intensifica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 15 de abril de 2010 as 10:01, por: cdb

Uma erupção vulcânica na Islândia, que resulta em uma coluna de cinzas com mais de 6 quilômetros de altura, prejudicando o tráfego aéreo em todo o norte da Europa, intensificou-se nas últimas horas, disse um especialista nesta quinta-feira.

Após mais de 24 horas, a erupção subterrânea sob a geleira Eyjafjallajokull — dez vezes mais potente do que outro episódio semelhante perto dali, no mês passado — não dá sinais de ceder, disse o vulcanólogo Armann Hoskuldsson, da Universidade da Islândia.

– Ela está se tornando mais intensa, mas não haverá lava — trata-se puramente de uma erupção explosiva – explicou ele à Reuters.

A leste do vulcão, milhares de hectares estão cobertos por uma espessa camada de cinzas, e uma nuvem tapa o sol em algumas partes da costa sul da ilha, segundo a imprensa local.

O vapor emanado derreteu grande quantidade de gelo da quinta maior geleira da Islândia, mas a inundação verificada na quarta-feira, com danos para estradas e pontes, começou a baixar, segundo Hoskuldsson.

A maioria das 700 pessoas retiradas das suas casas na quarta-feira continua em abrigos montados na região pela Cruz Vermelha, disse um funcionário à Reuters.

Por causa da nuvem de cinzas, que durante a noite se deslocou para sudeste, vários aeroportos do norte da Europa tiveram de desviar seus voos. As partículas de cinzas, se aspiradas pelas turbinas, podem derrubar aviões.

Cientistas islandeses detectaram uma maior atividade sísmica nos arredores da geleira, cerca de duas horas antes de o vulcão entrar em erupção, na manhã de quarta-feira, segundo a imprensa local.

Em março, outro vulcão entrou em atividade perto da geleira Eyjafjallajokull, mas sem causar tantos transtornos.

O vulcão agora em erupção se assentou no subsolo no século XIX, e desde então entrou em atividade cinco vezes.

Erupções vulcânicas são relativamente comuns na Islândia, embora costumem acontecer em áreas pouco povoadas, com poucos riscos a populações e propriedades. Antes de março, a última erupção na ilha fora em 2004.

Voos
A enorme nuvem de cinzas expelida pelo vulcão paralisou na quinta-feira voos em todo o norte da Europa, prejudicando centenas de milhares de passageiros.

“Devido à cinza, o tráfego aéreo sobre o mar entre Escócia, Noruega, norte da Suécia, Grã-Bretanha, Noruega e norte da Finlândia está sendo limitado”, disse a Finavia, agência que administra aeroportos finlandeses.

O espaço aéreo britânico ficaria fechado, exceto em casos de emergência, das 11h até pelo menos as 17h (de 8h a 14h em Brasília), segundo o Serviço Nacional de Tráfego Aéreo.

“A cinza vulcânica representa uma ameaça significativa à segurança dos aviões”, disse a agência em nota, acrescentando que a decisão foi tomada em conjunto com meteorologistas e outros países.

Em 1982, um jumbo da British Airways caiu na Indonésia após passar por uma nuvem vulcânica e perder toda a força das suas turbinas.

O espaço aéreo foi fechado também no norte da Suécia, e os voos transatlânticos estão tendo de percorrer uma rota mais longa, disse Jan Lindqvist, porta-voz do aeroporto Arlanda, em Estocolmo.

Em Oslo, todo o tráfego no maior aeroporto norueguês foi cancelado a partir das 5h, e o aeroporto de Copenhague deve fechar por volta de 12h (ambos os horários de Brasília), sem previsão de reabertura.

A Navair, agência que cuida do tráfego aéreo dinamarquês, disse que os voos já haviam sido interrompidos no espaço aéreo do país sobre o mar do Norte.

A Finavia disse que o espaço aéreo do norte da Finlândia ficará fechado até as 9h de sexta-feira, e que as empresas Finnair e SAS haviam cancelado vários voos domésticos e internacionais.

Os aeroportos de Paris, Bruxelas, Amsterdã e Genebra também decidiram cancelar vários voos, e a agência Eurocontrol anunciou um plano provisório para interditar parte do espaço aéreo sobre a Bélgica, a Holanda e a Alemanha ao longo da quinta-feira.