Equipes de resgate do 11 de Setembro sofrem problemas permanentes de saúde

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 17 de dezembro de 2002 as 00:02, por: cdb

Um ano e três meses depois, integrantes das equipes de resgate que trabalharam nos escombros do World Trade Center continuam sofrendo de uma série de doenças, conforme revelaram exames a que foram submetidos por conta de um programa federal.

Há alguns meses, os médicos do Hospital Monte Sinai procuram por trabalhadores da chamada Zona Zero cuja saúde foi abalada devido aos atentados de 11 de Setembro.

Mais da metade das pessoas acompanhadas até agora foram diagnosticadas com persistente inflamação respiratória. O distúrbio de estresse pós-traumático também foi constatado em mais de 50 por cento dos examinados e cerca de 20 por cento têm azia, segundo os pesquisadores.

“Estas taxas de anormalidade estão surgindo um ano e três meses depois do acontecimento”, disse Stephen Levin, chefe centro de medicina ambiental e ocupacional, em entrevista ao jornal Daily News.

“As pessoas chegam ofegantes, com dificuldades para respirar, tosse e asma”, explicou. “Esse é um assunto urgente de saúde pública”.

A nuvem de fumaça e poeira causada pela colisão dos dois Boeing com as duas torres do World Trade Center causou preocupação quanto à saúde das pessoas atingidas.

O projeto de acompanhamento de saúde dos trabalhadores está sendo financiado por um fundo federal de 12 milhões de dólares.