Enchente mata 22 na Argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de maio de 2003 as 19:46, por: cdb

Centenas de pessoas continuam desaparecidas depois de uma enchente recorde ter atingido a região central da Argentina na semana passada, elevando os temores de que o número de mortos possa passar de 22, informaram autoridades nesta quinta-feira.

Cerca de 70 mil pessoas continuam desabrigadas na Província de Santa Fé depois de o rio Salado ter transbordado, inundando grandes porções de terra. Muitos moradores estão morando em barracas montadas no telhado de suas casas.

Canoas transformaram-se no meio de transporte pelas ruas da região, cortando águas barrentas que passam de 1 metro de altura em algumas áreas.

– O número oficial de mortos é 22. Ainda há 800 desaparecidos, mas eles podem estar a salvo em algum lugar – disse o porta-voz do Departamento de Saúde de Santa Fé, Pedro Notaro.

Funcionários de um sindicato local que ajudam nas operações de busca disseram que o número oficial de mortos é muito baixo e não corresponde com a realidade.

– Nós não sabemos o que vamos encontrar nas casas quando as águas baixarem -, disse Jorge Hoffmann, secretário-geral da Associação dos Trabalhadores do Estado em Santa Fé.

– As águas da enchente estavam correndo muito rápido e podem ter carregados cadáveres. Há centenas de pessoas ainda desaparecidas e o número de mortos não reflete a magnitude desta catástrofe. (O número de mortos) Será muito maior – completou.

Segundo médicos, 17 pessoas foram hospitalizadas com hepatite na região, declarada zona de desastre pelo presidente Eduardo Duhalde.

O rio Salado transbordou após 140 centímetros de chuva durante dois dias na semana passada, inundando cidades na província produtora de soja. A média de chuva na região é de 80 centímetros por ano.

A enchente atingiu boa parte da área em torno da capital da província, Santa Fé, a 480 quilômetros a noroeste de Buenos Aires.