Enchente deixa 45 mil desabrigadas e 2 mortos na Argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de abril de 2003 as 19:38, por: cdb

Cerca de 45 mil argentinos foram retirados de suas casas nesta quarta-feira por causa das enchentes que afetaram a província central de Santa Fé. Duas pessoas morreram e um terceiro está desaparecido, informou o governador do distrito, Carlos Reutemann.

– Isso me dá a impressão de que a enchente ainda pode subir alguns centímetros. Mas para que a situação se normalize vai demorar um bom tempo -, disse o governador a jornalistas.

As chuvas que caem há sete dias fizeram com que o rio Salado transbordasse na capital da província, 476 quilômetros ao norte de Buenos Aires, e na cidade de Recreo, onde 11 mil pessoas foram retiradas de suas casas.

Algumas cidades estão completamente isoladas e ficaram sem serviço de telefone ou eletricidade. Diversas vias ferroviárias e rodovias, como a estrada que liga Santa Fé com a cidade de Rosario, se encontram bloqueadas.

Há previsão de que as chuvas continuarão até a manhã da próxima quinta-feira, de acordo com o Serviço Meteorológico Nacional.

Entre quarta e sexta-feira da semana passada (23 a 25) caíram 1.400 milímetros de chuva, enquanto a média anual é de 800 milímetros, segundo a Defesa Civil.

– Foi muito rápido, nunca aconteceu algo semelhante. E foi inesperado, porque é uma região que nunca é inundada. O rio Salado nunca transborda -, disse a uma rádio local Marta López, viúva de classe média com três filhos, que foi retirada de sua casa.

Muitas famílias se negaram a deixar as casas e resistiram às inundações sobre o teto das mesmas, temendo que fossem saqueadas.

Outros se movimentavam em canoas, mas temiam que batessem nos carros que ficaram debaixo d’água.

O presidente Eduardo Duhalde decidiu enviar nesta quarta-feira uma primeira ajuda econômica de 7 milhões de pesos (2,4 milhões de dólares).

– Declaramos estado de emergência na região para que possamos ajudar a província na etapa seguinte de reconstrução -, anunciou o presidente.

Além disso, os governadores de Córdoba, Santa Cruz, Chaco e Buenos Aires já estão colaborando com a província, informou Reutemann.