Empresas de serviço empregaram 6,8 milhões em 2002

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 16 de setembro de 2004 as 10:27, por: cdb

As empresas de serviços empregaram 6,8 milhões de pessoas no país em 2002, 10% a mais do que em 2001. No entanto, a remuneração média mensal caiu em 11% em relação a 2001 e cada trabalhador recebeu em média 3,2 salários mínimos por mês. Os dados constam da Pesquisa Anual de Serviços-2002, divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a publicação, as 945 mil empresas de serviços não-mercantis investigadas geraram naquele ano uma receita operacional líquida de R$ 290,5 bilhões, quase 7% superior a de 2001.

Para a analista sócio-econômica do IBGE, Juliana Paiva Vasconcelos, este setor de serviços, que exclui o comércio e as instituições financeiras, manteve a mesma estrutura observada em 2001, apesar do aumento do faturamento e do maior número de pessoas empregadas.

Já a queda do rendimento médio mensal, segundo ela, “reflete a mão-de-obra de baixa qualificação no setor, principalmente nos serviços de limpeza em prédios e domicílios, onde foi constatada, também, uma redução de 13% no número de empregos de 2001 para 2002”, explicou.

– Diante das condições adversas da economia em 2002, conseguimos ter um crescimento do emprego no setor de serviços não-mercantis. A avaliação é que este aumento de postos de trabalho deve-se à característica das atividades do setor, que não necessitam de mão-de-obra muito qualificada – acrescentou a técnica do IBGE