Empresas credenciadas não cortarão mais árvores em espaços públicos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de abril de 2012 as 15:02, por: cdb

Empresas credenciadas não cortarão mais árvores em espaços públicos

04/04/2012 – 17:57

  

Edmilson Siqueira

 

Depois do corte de um eucalipto já condenado no Parque Ecológico, realizado por uma empresa cadastrada na Prefeitura, porém sem a devida autorização para realizar tal corte, a Secretaria de Serviços Púbicos, responsável pela manutenção dos parques e jardins de Campinas, determinou que somente equipes ligadas diretamente aos serviços públicos – da própria Prefeitura ou do Corpo de Bombeiros, por exemplo – poderão realizar supressões de árvores em toda a cidade.

 

“O que ocorreu ali não era para ocorrer”, afirmou o secretário de Serviços Públicos Valdir Terrazan. “A empresa credenciada só poderia realizar cortes após receber uma autorização do DPJ, assinada por um dos nossos técnicos. Ainda bem que o corte ocorreu numa árvore seca, entre as que já estavam condenadas, segundo laudo emitido no início do ano, e não houve qualquer prejuízo ambiental”, acrescentou.

 

Como a empresa conseguiu entrar no parque Ecológico e realizar o corte sem ter a autorização específica para tal fim será motivo de uma apuração interna que o secretário mandou realizar. “Vamos ver como isso ocorreu, quem foi o responsável por permitir essa ação. E deixar claro que a empresa que realizou o corte, a Castor Lenhadora, não tem contrato algum com a Prefeitura. Ela é apenas uma credenciada. E que, claro, vai responder por seu ato”.

 

O laudo técnico que a empresa tinha em mãos foi feito no início do ano a pedido do então coordenador do DPJ, José Geraldo Faria. À época, foi constatado que seis árvores do Parque Ecológicos estavam condenadas: quatro delas já secas e duas a caminho da morte, de modo irreversível.

 

O técnico do DPJ que assinou laudo recebeu uma ordem de Faria para disponibilizá-lo para a empresa. Desde então, a empresa tinha cópia dese laudo e foi esse documento que ela usou para cortar o eucalipto. O laudo é o documento que antecede a autorização de corte e em nenhum momento o DPJ emitiu qualquer autorização para realizar supressões de árvores no Parque Ecológico.